sábado, 10 de janeiro de 2009

MEUS CAROS AMIGOS


Faz hoje precisamente um ano e meio desde o dia em que dei início a este meu Porentremontesevales.

580 dias. 13.920 horas. 835.200 minutos. 50.112.000 segundos.

É muito tempo para quem nunca acreditou poder aguentar por aqui três/quatro meses sequer, quanto mais… ano e meio.

Foram momentos inesquecíveis, momentos que jamais se apagarão da minha memória, da memória dos que me rodeiam.

Foi difícil não os envolver em todo este projecto, e foram muitas as vezes que a curiosidade os motivou. Nomes de amigos de Internet, habituais companheiros destas andanças, passaram a fazer parte do dia a dia cá de casa. De vez em quando, perguntam-me por este ou aquele, principalmente se sabem que o visado atravessa algum problema.

Foi assim que esta aventura de Internauta, passou a ser tema actual deste vosso amigo.

Também os AMIGOS que ao longo deste ano e meio me visitaram, mas que comigo convivem quase diariamente, fizeram questão de me fazer sentir que o meu espaço não lhes era indiferente.

Nunca tive muito jeito para escritas e a opção que tomei durante estes 580 dias apontou claramente para ir fazendo postagens que de alguma forma servissem a quem por aqui passou acidentalmente ou por hábito. Limitei-me a compilar e a publicar alguns (muitos) artigos que me pareceram importantes para a vida das pessoas. Até sob o ponto de vista de entretenimento.

Tratei com muito carinho, este meu blogue, como de um filho se tratasse. A obra foi nascendo e ao fim destes meses todos sinto uma satisfação imensa por olhar para trás e gostar do que vejo.

Na minha idade não é fácil o relacionamento com o Computador e esse foi sempre o grande obstáculo a vencer. No fim, penso modestamente que o consegui.

719 postagens foram publicadas, com um total de 58.942 visitas, o que perfez uma regularidade de 101 visitas diárias. É obra para um humilde ignorante como eu, que nunca quis mais que passar por uma experiência nova e apaixonante.

Nunca fiz grande questão sobre estes aspectos da vida do meu blogue, pois nunca andei atrás do número de comentários ou visitas. Entendo perfeitamente que nesta relação entre amigos virtuais, a reciprocidade nas visitas seja fundamental. É também assim na vida real. Ninguém gosta de dar sem receber e aceito isso pacificamente, mas desgostaram-me algumas hipocrisias com que não contava. Entrei no jogo de peito feito e normalmente deixei em cada comentário ou em cada visita que fiz, a alma, a sinceridade, a amizade e a lealdade que me caracteriza enquanto companheiro de jornada. Infelizmente, nem sempre o feed-back dessa entrega foi o esperado. Alguns comentários de circunstância, claramente com o único fim que não fosse, o de garantir que seria retribuída a visita, foram fazendo mossa e tiveram o condão de me alertar para os perigos que corre quem se entrega de alma e coração e depois… não é bem como pensamos.

Mas deixemos de parte os aspectos negativos da blogosfera e passemos aos positivos. É que para grande surpresa minha, e no pólo oposto aos aspectos negativos, muitos amigos virtuais encontrei, que não pedindo nada em troca, fizeram o favor de me ir lisonjeado com os seus comentários, com as suas visitas e porque não dizê-lo, com os cuidados que muitos tiveram comigo em momentos menos conseguidos da minha vida pessoal. Com alguns, troco email’s ou até mesmo conversas de telefone. Os meus problemas passaram a ser os deles e o inverso também se verificou. Um simples olá, fez-me bem, acreditem e ajudou a superar o outro lado do problema.

No fim de tudo, e fazendo o balanço destes dezoito meses de actividade blogosférica, o factor positivo pesou bastante mais que o negativo. Por isso, o saldo é francamente favorável e parto satisfeito e reconhecido.

É verdade meus AMIGOS, o Porentremontesevales suspende hoje a sua actividade, mas de uma coisa podem estar certos, o meu email estará sempre ao vosso dispor. Este blogue, não será desactivado definitivamente para que fique como documento de consulta e aberto a todos que quiserem por cá continuar passando.

Os AMIGOS não se perdem por não se comunicarem todos os dias e aqueles que fazem o favor de me aturar, continuarão com o seu lugar bem guardado e em lugar de destaque.

A todos os que cá vieram de vontade ou por mero acaso, gostando ou não, uma só vez ou diversas, AMIGOS ou INIMIGOS, a todos sem excepção, quero deixar os meus sinceros agradecimentos porque todos, de uma forma ou de outra, fizeram parte deste meu PORENTREMONTESEVALES, e contribuíram com as suas visitas para que conseguisse chegar até aqui.

Quero assim, deixar expresso esses agradecimentos aos AMIGOS que a seguir cito. Àqueles que não menciono, por lapso ou esquecimento, peço as minhas mais humildes desculpas.



Tudo de bom nas vossas vidas e não me despeço, deixo-vos apenas um até qualquer dia, certo de que nos encontraremos por aí, porque a aldeia onde vivemos é bem pequena.

Reconhecido por tudo, um ABRAÇO BEM FRATERNO!

Hoje o texto é meu, mas as fotos continuam a ser da Net

António Inglês





13 comentários:

Brancamar disse...

Ohhhh!
Nem sei que diga António.
Mas isto agora pegou-se, é algum vírus que anda por aí? Acaba o A Ver o Mar, agora fecha o Por Entre Montes e Vales? Eu própria já pensei muito nisso, confesso, mas acho que ainda me vou aguentar, com menor ritmo, mas vamos indo e vamos vendo.
Compreendo o teu balanço, na verdade a vida virtual não pode prejudicar a real e tu é que sabes os teus motivos mais profundos.
Quanto às apreciações, ninguém pode ter duvidas de que alguns comentários são de circunstância, mas outros vão-se transformando em amigos. Temos idade para perceber essas psicologias e para não ter espectativas desmedidas. A nossa vida, a nossa alma, o tempo que precisamos para estar a ler um bom livro, para apanhar ar, para andar, para estar com a família não pode ser este e aqueles que aqui podem ser chamados de amigos, esses transportámo-los para a nossa vida real, já conheci alguns, tantos como todos os dedos das minhas mãos e gostei, outros já os conhecia de outros lados e sabes que és um dos que hei-de conhecer um dia destes. Continuo à espera que me avises na passagem para o Norte, ou talvez nos encontremos pelo Minho já que o ano passado não cheguei a ir quando pensava fazê-lo.
Estou sempre onde tu sabes e tens o meu contacto.
Dispõe dele.
Desejo-te tudo de bom.
Dias muito felizes.
Vou tentando saber de ti.
Beijinhos.
Branca

Cata-Vento disse...

Tó, Querido Amigo!

Foi com tristeza que acabei de ler este post que vinha aguardando há uns dias.Esta era uma das hipóteses que então coloquei. A despedida da net. Eu não gosto de despedidas porque todas elas me anunciam um fim. Eu sei que, um dia, mais ou menos distante, todos acabaremos mas continuo sem esse dado como adquirido. Assim, quando leio, quando ouço, quando me apercebo de uma despedida não consigo evitar que o meu interior fique dilacerado. Assim está neste momento.Tudo passa com o tempo mas a saudade, essa, vai aumentando embora, depois, me apazigue com as recordações dos bons tempos aqui passados.
Respeito a tua decisão, como sempre respeitei a de todos os amigos que aqui fiz, e não foram tão poucos assim aqueles que já partiram, homens e mulheres, que sempre me deixaram os seus contactos. Quantas vezes os contactei? Nenhuma. Leio o que aqui deixaram. E é tão bom recordar.
Tó, sê feliz, que tenhas muita saúde, por muitos anos, que a tua família continue a ser o porto de abrigo onde sintas sempre o amor, a alegria, a compreensão que tanto mereces. Assim vai ser, amigo.

Já com saudades, deixo-te mil beijinhosssssss

Isabel

António Inglês disse...

Olá Branca, mana amiga

Quero que saibas que não me despedi de ninguém. Tal como digo no que escrevi, estou e estarei sempre aqui, em especial para os amigos/as mais "especiais".
Como por certo reparas, por alguma razão, tu e a Isabel foram as primeiras a deixar aqui um comentário neste "encerramento".
Os/as AMIGO/AS mais "especiais" estão e ficarão bem guardados e não tenciono deixar de os visitar e com eles trocar umas quantas palavras porque para além dos nossos blogues, acho que criámos mais qualquer coisa.
Passarei a falar contigo de outra forma e não perdi de vista essa passagem aí por essa tua linda cidade. O nosso Portugal é tão pequenino. Um dia acontecerá, estou certo.
De igual modo, espero que se vieres por estas bandas me avises para que possamos tomar conversar pessoalmente. Seria muito agradável.
Tudo de bom para ti e que a vida te sorria sempre. Dá um grande beijinho à tua filha por mim e diz-lhe que este amigo que fizeste por esta via, vos tem no coração.
Beijinhos
António

António Inglês disse...

Isabel

Só por manifesta falta de lucidez tenho andado longe das visitas aos amigos/as que muito prezo.
Sabes, e não preciso de to dizer, que és e farás sempre parte desse grupo mais restrito de "especiais".
A todos os que me visitaram guardo amizade e reconhecimento, mas a alguns, por força de uma maior empatia, dedico maior carinho e maior proximidade.
Tu, Isabel, tens grande responsabilidade por me ter aguentado este tempo todo por aqui. Conjuntamente com a Elvira e a Branca, foram a grande referência que escolhi neste mundo da blogosfera. Pelo menos no meu.
Sou e serei sempre teu amigo, até quando achares que mo deves permitir. Por isso minha amiga, tens o meu email e os meus contactos e sempre que o desejares sabes como contactar comigo.
Pela minha parte, pode ser que assim tenha mais tempo para me dedicar mais a umas quantas visitas.
Obrigado por tudo o que me deste, pela força e coragem que me transmitis-te.
Não parto, antes me calo. Estarei sempre ao teu dispor.
Um grande abraço e milhões de beijinhos
António Inglês

elvira carvalho disse...

Amigo, Lembro-me que tentei tudo para que continuasse , quendo quis desistir. Não vou fazê-lo de novo, já conversámos sobre o assunto e sabe o que penso.
Os blogues são uma coisa que tem que nos dar prazer, tanto ao mais do que dão a quem nos visita. Se se tornam uma obrigação, se deixam de nos dar prazer, também não podem dar nada de bom a quem nos visita.
A vida real está muito difícil, no sentido em que exige cada vez mais de nós. E às vezes não sobra tempo para visitar os amigos, nem disposição para escrever algo novo.
Sei Que estará aí sempre para os amigos, e sinto-me muito honrada de que me considere assim.
Também não lhe vou dizer adeus.
Um abraço e bom fim de semana

Fatima disse...

António estou sem palavras.
Custa-me que este blog termide. Vejo-o todos os dias. Nem sempre o comento. Às vezes fico apenas com o que aprendo.
Sabe que a nossa porta está aberta, e gostaria muito que um dia nos visitasse.
Apareça por lá, ou pelos comentários, só para eu saber que está bem. Pode ser?
Fico mesmo triste com esta suspensão.
Sinto-me feliz por fazer parte da sua lista dos amigos. Acredite que retribuo de igual forma.
Um grande abraço!

Menina do Rio disse...

Dizem que tudo vem e vai a seu tempo. Viestes e estás de partida. Fechas tua morada para uma viagem sem data, sem prazo. Faz parte.
Como quando nos abristes as portas e nos deixastes entrar e conviver junto com teus versos e tua ternura. Os numeros que obtivestes (de visitas e comentários) foram o termometro que mediram o calor que nos aqueceu nesse ninho do qual agora te desfazes. Mas não vais só, porque sempre haverão as lembranças deste tempo e nenhum tempo poderá apagar.

Pra ti deixo um sorriso e digo:
Vaia con Dios, amigo...

Brancamar disse...

Continuo passando António para te desejar uma boa semana.
Fica bem.
Beijinhos de amizade.
Branca

Cata-Vento disse...

Bem-hajas, António! A tua visita foi uma boa surpresa.
Aguardo o teu regresso, um dia, a este espaço onde nos conhecemos.

Mil beijinhos

Sabel

Carminda Pinho disse...

António, foi o acaso que nos fez cruzar caminhos virtuais.
Não fui uma comentadora muito assídua, mas eu sei que o António nunca contabilizou, as visitas.
No decorrer do tempo, deu para verificar que é um homem, honesto e sincero.
Tenho pena que acabe aqui o seu blog, mas tenho esperança que ainda nos havemos de cruzar por aí novamente.

Desejo-lhe muita saúde e sorte.
Até sempre!

Beijos

gaivota disse...

e vais de partida, antónio, obrigada pela tua companhia neste tempo em que te encontrei e partilhámos algumas conversas...
que tudo te corra muito bem na companhia da família e de quem mais desejares
até um dia!
beijinhos

Maria disse...

E o que posso eu dizer? Que foi bom conhecer-te, ler-te e saber-te como és.
Quem sabe um dia não nos cruzamos com uma cornucópia... quem sabe...
Desejo-te tudo de bom, assim como para a tua Família.
Talvez um dia voltes a escrever aqui, mesmo. Por saudades...

Um abraço apertado, António

Joaninha disse...

Mas que piadinha é esta António?!

Quer dizer, já não pode uma pessoa ficar esmigalhada debaixo de 200 manuais de direito, que quando finalmente se liberta chega aqui e dá com o nariz na porta?

Ai, ai, ai, não pode ser meu amigo...

Agora fora de brincadeira...Está tudo bem consigo?

Deixo um abraço grande e se necessitar de alguma coisa apite.