segunda-feira, 3 de novembro de 2008

OLIMPÍADAS DE CULINÁRIA – ERFURT ALEMANHA 2008


Portugal com duas medalhas de bronze em Olimpíadas de Culinária na Alemanha

Quem pensa que Portugal só consegue medalhas de ouro, prata e bronze em Olimpíadas de atletismo, engana-se. Aí estão duas de bronze, ganhas na Alemanha, mas em Culinária. Os portugueses quando querem.... Pena que estas participações não sejam mais apoiadas pelo Governo português, e também mais divulgadas pelos órgãos de comunicação social. Parabéns aos premiados.



Uma perdiz recheada de cogumelos e com puré de abóbora e um gelado de Vinho do Porto valeram a Portugal, ao fim de longas horas de trabalho, duas medalhas de bronze nas Olimpíadas de Culinária, que terminaram no passado dia 22 de Outubro em Erfurt, na Alemanha.



A competição, que se disputa há mais de um século, de quatro em quatro anos, reuniu mais de mil cozinheiros de 43 países, entre seniores e juniores.

Na segunda-feira, dia em que esteve em prova a confecção de um "menu quente", Portugal conquistou duas medalhas de bronze, nas categorias de sénior e júnior (até aos 22 anos).



Perdiz recheada com cogumelos acompanhada de puré de abóbora e legumes salteados, "gourmet" de lavagante e gelado de Vinho do Porto foram alguns dos pratos com que as equipas portuguesas, constituídas por cinco elementos em cada categoria, foram premiadas, referiu, em declarações telefónicas à Agência Lusa a partir da Alemanha, o chefe de cozinha António Bóia.

Para preparar os pratos do "menu quente" e do "menu frio", os cozinheiros portugueses gastaram "80 a 90 horas" de trabalho.



As equipas nacionais apresentaram, entre outras iguarias, um "risotto" com cogumelos e um busto feminino em doce.

Portugal participa na competição desde 1992, tendo há oito anos subido ao pódio com prata. Em 2004, conseguiu bronze.

O país mais medalhado é a Suécia, que "faz muita pesquisa e tem muito dinheiro para investir" em decoradores de pratos e "designers" de loiças, contou António Bóia, treinador da equipa júnior lusa, lamentando a "falta de apoio do Estado" português à participação nacional.



Na Noruega, acrescentou, as equipas são convidadas a confeccionar pratos para eventos do Estado para poderem ter dinheiro para participar nas competições.

Já em Portugal, concluiu António Bóia, os concorrentes têm de socorrer-se de patrocínios, "treinar em dias de folga e tirar férias para estarem nas Olimpíadas".



O chefe de cozinha considera que Portugal "está a melhorar" em termos de prestação culinária, embora continue a ter uma "formação nas escolas" de hotelaria e restauração "deficiente" e a "não reconhecer o trabalho do cozinheiro".

"A formação nas escolas é deficiente, está ultrapassada em termos de método de ensino... não revêem os programas", defendeu, apontando também o dedo ao "público português, que não gosta de comer bem mas muito".



As Olimpíadas de Culinária, incluiram também provas nas categorias artística, individual e equipas militares e regionais.

Estados Unidos, Japão, África do Sul, Suíça, Suécia, Canadá, Alemanha e Dinamarca foram outros dos países participantes.

ER. / Lusa/Fim




Texto de vários jornais on-line

Fotos da Net

António Inglês


3 comentários:

elvira carvalho disse...

E veja lá que eu nem sequer sabia que se faziuam olimpíadas de culinária.
Muito bom o post.
Um abraço e uma boa semana

Maria disse...

O que tu descobres... eu nem sabia que havia olimpíadas de culinária, hehehe.
As tuas pesquisas pela net resultam sempre em surpresas agradáveis...

Um abraço

Fatima disse...

Temos excelentes mestres A minha madrinha a "Ti Antónia" foi uma exímia cozinheira em Viana, num restaurante muito afamado.
Eu gostava de ser cozinheira. Fascinam-me aqueles tachos enormes.
Contento-me e às vezes chega e sobra a cozinha cá de casa!
António se vier a Lisboa este fim de semana, apareça pela exposição.....