domingo, 2 de novembro de 2008

INSENSIBILIDADE!


Apoie esta causa. Divulgue esta luta.
Em nome da verdade e por uma sociedade mais justa, colabore!


Caro bloguer:

No ano passado contámos com a sua ajuda para divulgar a nossa luta pela qualidade de vida dos trabalhadores com deficiência. O eco que a nossa luta teve na blogosfera foi fundamental para aumentar a sua visibilidade.

Como tínhamos alertado nessa altura, o aumento da carga fiscal foi brutal. O governo na altura da apresentação da proposta de orçamento para 2009 conseguiu fazer passar a ideia que iria haver uma redução da carga fiscal esquecendo-se de referir que essa possível redução só se verifica em comparação com os aumentos que decorreram da eliminação dos benefícios fiscais.

A campanha mediática está montada.

"Deficientes voltam a ter mais benefícios fiscais em 2009" - Agência Financeira.
"Governo reduz impostos para os contribuintes com deficiência em 2009" - Público

Os títulos são estes, mas a realidade é muito diferente.

É preciso divulgar à opinião pública o que realmente se passa com os impostos dos trabalhadores com deficiência, dizendo: imagine se os seus impostos tivesse aumentado assim.

Não temos assessores de imprensa para fazer títulos de jornal, por isso agradecemos que passe esta mensagem a todos os seus contactos.

É urgente, a discussão do Orçamento é feita num mês.

Email enviado aos colaboradores do MTPD (Movimento dos Trabalhadores Portadores Deficiência)

Carlos Alberto Videira


"Esta mensagem foi-me enviada há três dias e não pude ficar indiferente ao pedido de postagem. Os trabalhadores Portadores de Deficiência são dignos da nossa admiração e carinho. É preciso que o Estado também assim pense!"

António Inglês


2 comentários:

Maria disse...

Já tenho este banner na lateral faz tempo...

Boa semana
Beijinho, António

Fatima disse...

Ainda hoje alertei um "senhor" que estacionou o carro na zona reservada a deficientes.
Olhou para mim, para o sinal, e seguiu para dentro do supermercado onde ia à compra, como se nada fosse com ele.
Onde terá aquele ser a deficiência? No coração, na educação?