quinta-feira, 3 de abril de 2008

OS NOVE PECADOS QUE NOS PODEM CAUSAR VÍCIOS IV!

*


4 – CAFEÍNA

O consumo de café per capita, em Portugal, ultrapassa os dez gramas diários, o equivalente a dois cafés em cada três dias por pessoa. Entre 1990 e 2003, o aumento foi de 18%, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística



CAFEÍNA E FERRUGEM NO CAFÉ

Uma taça normal de café (15 gramas de café moído) contém de 0,1 a 0,2 gramas de cafeína; o corpo necessita de 10 a 12 horas para a sua eliminação e, assim, quando uma pessoa durante o dia toma duas chávenas de café, a cafeína que absorveu com a primeira não está eliminada quando toma a segunda; esta facto, com o desenvolvimento do hábito, provoca queimaduras cada vez mais acentuadas nas fibras do organismo. Isto é muito importante porque pode servir de princípio para a degeneração dos tecidos .

Quando a tensão arterial enfraquece e a circulação sanguínea encontra redobrada resistência, tem então a cafeína oportunidade de levantar momentaneamente a tensão e acelerar o ritmo do coração, podendo assim suportar uma maior pressão.

A acção da cafeína pode ser extraordinariamente diferente de pessoa para pessoa. A sua acção principal produz-se no sistema nervoso, no aumento da sua excitabilidade. A percepção dos coisas exteriores é diminuída , como acontece com o cansaço (ou o álcool). A reacção está de uma maneira extraordinária dependente da situação no momento da estimulação . E isto nota-se também no desporto: com pequenas doses de cafeína, dá-se realmente um aumento de ritmo de trabalho nos músculos cansados, com tendência para elevar esse ritmo a um degrau superior.,



Mas o desportista também deve contar com o facto de que o hábito contraído pelo corpo na absorção da cafeína é muito mais forte do que o que exerce o tabaco e que, quando termina a acção da cafeína, a disposição do corpo à fadiga é muito maior.

Quando então o organismo se prepara para o esforço máximo, necessita de nova infusão e torna-se tributário do café como de um dopping.

Investigações chegaram à conclusão que o aumento do ritmo de trabalho do coração depois da absorção da cafeína consegue-se com perda de potência física básica do corpo.

A cafeína não constitui o único problema do café. Os produtos com forte dose de ferrugem que contém também são nocivos mas em contrapartida proporcionam aquele paladar tão agradável e, para tantos, irresistível. A questão de fundo, aquela na qual eu sempre insisto em cada sessão do Conselho Científico da Associação Internacional para o Estado e Investigação dos tecidos vitais do corpo humano, parece-me ser a economia das funções do organismo, que pode levar cada pessoa a proteger-se das doenças da civilização.



O aroma de um café bem torrado e de boa qualidade tem o cheiro mais belo de todos os condimentos, muito melhor que o do tabaco ou do vinho. Uma mesa posta com esta bebida quente e fumegante, exala um aroma agradável.

A eficiência principal do café é a cafeína. A cafeína usa-se hoje como remédio. Em doses pequenas e médias atrasa a circulação sanguínea e em doses maiores acelera-a.

Pessoas facilmente irritáveis, especialmente as que tenham um leve aumento da actividade da glândula tiróide, sentem palpitações logo após o uso do café, porque a cafeína aumenta a função do coração e do pulso. Também não podem dormir de noite, mesmo que bebam café à tarde, porque a eliminação à tarde faz-se de 8 a 12 horas, embora varie com os indivíduos.

O organismo habitua-se à cafeína. As doses devem ser aumentadas. Em vez do «garoto» da tarde já se precisa de um chávena de café.

Mas há também pessoas que dormem bem com o café. Estas não reagem à cafeína que excita o sistema nervoso central e o centro vasomotor, pelo que ficam contraídos os vasos sanguíneos do ventre. O vácuo normal do sangue na cabeça depois das refeições principais, originado pelo afluxo de sangue aos órgãos digestivos, fica compensado pela cafeína. Mas a cafeína dilata os vasos coronários, aumenta a energia cardíaca e exerce efeitos na eliminação da água.

O aumento da irritabilidade pela cafeína origina desassossego, insónia , sentido de calor, suores, tremor de mãos. Algumas pessoas sofrem de palpitações e angústias. Outras têm azia, dores de estômago, fígado e solturas. Mas ainda não se sabe se este efeito é provocado pela cafeína ou se pelos produtos da torrefacção.



A CAFEÍNA

No sistema reticular, cujos efeitos de amortecimento seriam frenados, de modo que as excitações do sistema nervoso central são essencialmente acções estimulantes e psicotónicas, sendo também estimulantes dos centros medulares, do centro respiratório, vasomotor, vagal e da própria condução dos estímulos na espinal medula.

Sobre a respiração , além da acção analéptica central, a cafeína facilita-a por dilatação brônquica, o alargamento das artérias pulmonares e o aumento de aporte sanguíneo pulmonar, com baixa de tensão alveolar de CO2.

Sobre o coração provocaria bradicardia , em pequenas doses, mas taquicardia em doses mais elevadas, havendo também uma acção inotrópica que não é devida a uma estimulação do simpático mas a uma acção directa no músculo cardíaco.

No sistema vascular destaca-se a acção relaxante sobre a musculatura lisa das artérias, particularmente da pele e dos rins, com baixa de resistência periférica e da pressão arterial pulmonar. Haveria dilatação dos vasos coronários com aumento de utilização de 02, não sendo nítida a acção nas artérias cerebrais. A cafeína aumenta a força muscular; há aumento de metabolismo e diminuição da fadiga. Promove diurese, inibindo a reabsorção.

Só 1% de cafeína é que é eliminada sem modificação; 20% é eliminada sob a forma de 1-metil xantina, 20 a 30 % sob a forma de 1-etil-ácido úrico.



Note-se que a absorção por via intestinal é completa e rápida, acompanhando-se de um aumento da secreção do estômago, com aumento de acidez e de volume. A absorção da cafeína, contida no café, é mais lenta do que a da cafeína pura, em solução aquosa.

A cafeína também promove uma perda de gordura dos depósitos e um aumento de ácidos gordos livres no soro e um aumento de gordura no fígado. Experimentalmente, não foi possível obter no animal fígado gordo, mesmo com altas doses de cafeína, administradas durante longos períodos de tempo.

A semelhança da cafeína, como derivado das purinas, com as bases púricas dos ácidos nucleicos , tornam a cafeína particularmente suspeita de poder provocar mutações no material genético. Este efeito mutagénico da cafeína pareceu provável , em estudos feitos com diferentes microorgnismos, cromossomas de plantas e recentemente na «Drosophilla melanogaster». Em doses muito altas, a cafeína causa também rupturas nos cromossomas de células de Hela e nos linfócitos humanos em cultura. Nos estudos até hoje feitos em seres humanos, não se verificou qualquer efeito mutagénico com o café e a cafeína.

Note-se que os efeitos mutagénicos nas mulheres só são possíveis antes do nascimento , porque as mulheres nascem com o conjunto dos ovos que vão ser fecundados no decorrer da vida , de modo que nela só se põe o problema de possíveis efeitos teratogénicos que até hoje nunca foram observados com a cafeína. As acções mutagénicas só seriam possíveis no homem que reduplica, constantemente, por meio da espermatogénese, os seus ácidos desoxiribonucleicos e ácidos nucleicos.



RISCOS CARDÍACOS

Seis chávenas de café por dia parece ser o limite para que não se corra quaisquer riscos adicionais de doenças coronárias. Quem o afirma é um grupo de cientistas norte-americanos da Universidade de Harvard, num estudo publicado pelo «New Englad Journal Of Medecine».

Efectuado durante quatro anos e envolvendo 45.589 americanos do sexo masculino, o estudo agora tornado público revela também que a versão descafeinada aumenta em 60 por cento os riscos de um ataque cardíaco.

As crianças podem nascer deformadas, se as suas mães beberem demasiado café com cafeína durante a gravidez, divulgou um grupo norte-americano para a defesa do consumidor.

O Centro para a Ciência no interesse público disse que o conselho mais seguro que os médicos podem dar às mulheres grávidas é o de abdicarem de beber café, chá e outras bebidas com cafeína.



O grupo apresentou uma petição à administração de alimentação e Drogas (AAD) , pedindo que as latas e pacotes de café e chá sejam assinalados em rótulo com um aviso às mulheres grávidas - consumir café ou chá pode causar defeitos de nascença ou outros problemas de reprodução.

O grupo dizia que a AAD devia desencadear uma campanha educacional pública para que as «mulheres possam identificar o café e o chá como aumentando o risco de problemas reprodutivos.»

Um porta-voz da mesma entidade disse que a agência se prepara para «desenvolver regulamentações propostas sobre a cafeína, incluindo a que se encontra no café.»

O informador acrescentou também estarem em discussão a possibilidade de colocar uma etiqueta de aviso e a de eliminar a cafeína como aditivo em certas colas.»

A petição adianta que estudos feitos em animais provam que a substância é a causadora de algumas deformações graves como fendas palatinas e falta de dedos nas mãos e nos pés.

O grupo calcula que, em cada ano, 13 por cento de todas as mulheres grávidas norte-americanas, cerca de 400 mil, «bebem cinco ou mais chávenas de café por dia» e «recomenda que qualquer dose de consumo de cafeína deve ser escrupulosamente evitada durante a gravidez.»



As pessoas que bebem uma chávena o duas de café diariamente têm o dobro de hipóteses de cancro no pâncreas.

A informação está contida num relatório divulgado por um grupo de peritos da Universidade de Harvard, que revela que o consumo de café poderá estar na origem de mais de metade das 20 mil mortes por cancro no pâncreas registadas anualmente nos estados Unidos.

O investigadores advertem , no entanto, que embora tenham encontrado uma forte ligação entre o consumo de café e a citada doença maligna, não possuem ainda provas concludentes de que o café causa efectivamente o cancro no pâncreas.

Os cientistas de Harvard não encontram qualquer associação entre o consumo do chá e o cancro pancreático, sugerindo deste modo que a cafeína, um estimulante presente no café, no chá e nas colas, não constitui um factor causador da doença.

O pâncreas é uma glândula situada ao nível do estômago que produz sucos digestivos e contém células que geram insulina. Quando este órgão se torna canceroso, as perspectivas de sobrevivência são escassas.

A sociedade oncológica norte-americana calcula que menos de 10 por cento das vítimas de cancro no pâncreas conseguem resistir à doença mais de cinco anos.



MALEFÍCIOS DA CAFEÍNA

A cafeína produz maior clareza de ideias, alivia a sonolência e a fadiga e permite a um indivíduo manter um esforço intelectual durante mais tempo.

As bebidas são a principal fonte dietética da cafeína. O café e o chá são exemplos óbvios mas as bebidas à base de cola e o cacau são outras fontes a considerar.

O café contém mais cafeína, com 100 a 150 miligramas por chávena. Uma chávena de chá contém cerca de 90 miligramas. Uma garrafa de Coca-Cola contém cerca de 55 miligramas de cafeína. As bebidas à base de cola têm, em geral, um conteúdo de cafeína que vai de 40 a 72 miligramas por garrafa normal de cerca de 3 decilitros. Uma chávena de cacau contém cerca de 50 miligramas e uma vulgar barra de chocolate ceca de 3 miligramas.

O dr. Walter Silver, especialista em doenças de crianças do Hospital Moimonides, em Brooklyn, Nova Iorque, diz que as bebidas à base de cola são, provavelmente, uma das causas da incapacidade de dormir e da hiperactividade entre as crianças.

De acordo com a Pepsy-Cola Company, as crianças não são grandes consumidoras de cola. Os maiores consumidores estão nos últimos anos da segunda década, primeiros da terceira



A classe médica é propensa ao vício. Alguns sintomas deste vício são incapacidade para dormir, febre baixa, irritabilidade e amargura. De acordo com o «The Pharmalogical Basis of Thereaupeutics», uma publicação médica básica, o ritmo anormal ocasional do coração pode ser encontrado nas pessoas que fazem uso em excesso de bebidas com cafeína.

Foram feitos estudos para determinar as causas do cancro, dos defeitos de nascimento e de mutação da cafeína.

Um estudo feito por Philip Cole, do Departamento de Epidemiologia do Centro Kresge para a Saúde Ambiental da Universidade de Harvard, descobriu que os grandes bebedores de café eram mais susceptíveis ao cancro do que os não bebedores.

Um estudo alemão, apoiado pela província de Nordheim- Westfalia, indicou que pode haver efeitos de mutação na cafeína nos organismos superiores.

Um estudo japonês chegou à conclusão de que injecções de cafeína em fêmeas de rato grávidas, em quantidades equivalentes a 50 ou 100 chávenas de café por dia, levou a defeitos de nascimento em 6 a 20 por cento das ninhadas.

Investigações em França, Alemanha e Inglaterra, determinaram defeitos de nascimento em 1 a 3 por cento das ninhadas, quando os ratos fêmeas grávidas foram alimentadas com o equivalente a 25 chávenas de café por dia.



CAFÉ COM LEITE: A MISTURA EXPLOSIVA

A dispepsia do café com leite resulta de três espécies de fenómenos:

a) Uns são devidos ao café, responsável das perturbações distónicas que afectam o sistema nervoso central e o sistema nervoso autónomo, devido aos seus derivados xânticos.

Por outro lado, exalta as secreções gástricas, acarretando perturbações de carácter dispéptico, do tipo hiperesténico.

Além disso, o café tem um PH de 5,8, facto que lhe confere características de bebida ácida capaz de agravar a hiperactividade de alguns estômagos. E também aumenta o peristaltismo intestinal.

b) Os segundos derivam do leite, que é um alimento gordo. Tomado bastante quente é, como todas as gorduras, de digestão difícil.

c) Os últimos e decerto os mais importantes, são consequências da mistura.

O tanino do café, quando no estômago, em meio ácido, faz precipitar a caseína do leite, sob a forma de grumos insolúveis que os sucos só com muita dificuldade atacam.

O composto designado tanato de caseína só é solúvel depois de atravessar a barreira do piloro, já no intestino delgado, portanto em meio alcalino.



Os trabalhos de Crider, Thomas e Hunt permitem pensar que os mecanismos da evacuação gástrica resultam muito mais do aumento do peristaltismo e do tono da região vizinha do piloro do que do aumento do tono de todo o estômago e da pressão intragástrica global.

Os trabalhos de Wheelon , Crider e Thomas revelaram que no período da actividade digestiva, quando o antro se contrai, piloro e o duodeno relaxam-se à cadência de três a quatro vezes por minuto, de acordo com a lei de Bayliss e Starling, segundo a qual toda a contracção segmentar progressiva é precedida de relaxação e inibição do segmento descendente.

Estes fenómenos de motricidade, segundo Hunt, ligados com a sensibilidade dos receptores da pressão osmótica do quinto duodenal, assim comandando a regulação da bombagem gástrica e a acção inibidora sobre a evacuação do estômago.



Tal como os ácidos fortes, os alcalinos ou quaisquer soluções hipertónicas só transpõem a barreira do piloro quando a sua diluição os torna aceitáveis pelo duodeno (segundo Carrot); e do mesmo modo as proteínas, quando insuficientemente atacadas pelos sucos gástricos, e com razões mais fortes quando ficam insolúveis, exercem, por meio de receptores duodenais, um efeito inibidor sobre o peristaltismo do antro do piloro.

O tanato de caseína (proteína insolúvel) reage de maneira idêntica e suscita perturbações da porção antro-duodenal. É essa a razão pela qual o café com leite é indigesto.

As bebidas cafeínicas contendo não só as purinas mas ainda tanino, apresentam para as albuminas do leite os mesmos inconvenientes. O chá, o mate, o guaraná, a cola, o cacau, são alvo das mesmas críticas.

Entre os malefícios que têm sido atribuídos à cafeína, indicam-se os seguintes:

  • Taquicardia
  • Ataques cardíacos
  • Mutações genéticas nos nascimentos
  • Febre baixa
  • Irritabilidade
  • Amargura
  • Insónia
  • Dispepsia
  • Cancro no pâncreas
  • Atraso de circulação
  • Hipertensão
  • Dificuldades de digestão
  • Excitabilidade


Mas investigações realizadas atenuam alguns destes malefícios, atribuindo a outras componentes da bebida «café» os prejuízos normalmente assacados à cafeína.

Entre esses componentes suspeitos, indicam-se:

  • Ferrugem do café (responsável pelo aroma que torna esta bebida tão procurada)
  • Produtos que entram na torrefacção do café
  • Tanino
  • Produtos xânticos
  • Ferrugem
  • Estas hipóteses parecem ser confirmadas pelo facto de que ao famoso «descafeinado» pode igualmente ser acusado de prejuízos para a saúde, nomeadamente ataques cardíacos.

Mistura comprovadamente nefasta é a do leite com café, tendo sido notados alguns sinais clínicos :

  • Peso na região epigástrica
  • Dores do hipocôndrio direito
  • Língua saburrosa
  • Dispepsia
  • Amargos de boca
  • Náuseas
  • Vómitos ou regurgitações
  • Flatulência
  • Eructações
  • Queimadura na região retro-estenal
  • Diarreia c/ cólicas


Poderá avaliar-se até que ponto o hábito de tomar, ao pequeno almoço, chá ou café com leite, como acontece em países como a Grã Bretanha, possa constituir um problema de saúde pública, ainda que ignorado na sua verdadeira causa.

O menos falado dos culpados e provavelmente o principal é o açúcar refinado que se junta maquinalmente à bebida «café», no benemérito propósito de cortar o seu maravilhoso sabor amargo.

Muitos dos sintomas e mal estar experimentados por alguns viciados, terá a ver mais com o açúcar e/ou com a mistura de leite do que propriamente com a inocente cafeína, esse alcalóide que dá tanto colorido à vida e a certos alimentos...

Esquece-se muitas vezes que a cafeína não existe só na café ao qual dá o nome mas em outros produtos:

  • Chá (Teína/Teofilina)
  • Mate
  • Guaraná
  • Cola
  • Cacau

Publicamos hoje um dossiê com várias opiniões sobre café e cafeína, abrindo assim um debate que iremos prosseguir com outros testemunhos e posições



CAFEÍNA INIBE A SÍNTESE DO ADN

A cafeína, alcalóide contido no café, seria uma substância muito perigosa, conforme sublinhou em Friburgo, o dr. W. Ostertag, do Instituto de Genética Humana da Universidade de Munster.

Segundo Ostertag, não se pode pôr em dúvida que a cafeína e o grão de café produzem efeitos até agora ignorados ou minimizados.

É conhecido o facto de que os cromossomas, portadores da hereditariedade, são especialmente sensíveis aos influxos que produzem variações. Vinte e quatro horas a seguir à aplicação da cafeína numa cultura de células, começaram a registar-se profundas trocas denominadas «rotura cromossómica» e «aberrações cromossómicas» que afectavam a substância hereditária fundamental, o ADN (ácido desoxiribonucleico) até ao ponto de se poderem produzir mutações no espaço exterior do ser objecto da experiência.

Sob a influência da cafeína, fragmentou-se o núcleo e os seus componentes foram expelidos.

Não se conhece nenhum agente químico que chegue a produzir efeitos semelhantes.

A substância similar contida no Chá, a Teofilina, apenas produz a décima parte dos efeitos registados com a cafeína.



O efeito mais ameaçador consiste não apenas em que se iniba a síntese própria do ADN na célula imprescindível à vida, mas em que a cafeína actue como agente mutante, mesmo quando esta síntese já tenha sido efectuada.

Como a cafeína actua sobre as gónadas masculinas e femininas humanas, não pode evitar-se a suspeita de que este produto produza lesões hereditárias.

Criou-se recentemente a denominação «Farmacogenética», com a qual se classificam determinados fármacos que actuam sobre a génese ou seja, sobre o idioplasma.

Isto é válido para substâncias como o Treminon, utilizado no tratamento anticanceroso e para o Metotrexat, usado em clínicas dermatológicas e que impede também a síntese do ADN. Produzem temidas ruturas cromossómicas e importantes mutações.

Textos e fotos da Net

António Inglês

18 comentários:

Vieira Calado disse...

Um verdadeiro tratado sobre o café!
Muita coisa não sabia, eu que bebo 3, 4 ou 5 cafés, por dia!
Mas café com leite é coisa que nunca bebo.
Agora deixe dizer-lhe uma coisa:
Um bom barranaço de medronho, elimina os efeitos nefastos do café!!!...
E esta? (rss).
Um forte abraço, amigo.

Sophiamar disse...

Querido Amigo

Este é um dos meus pecados. Começo pela manhã. Entre as oito e as oito e trinta, tomo o primeiro café. E sabe-me tão bem! Depois do almoço tomo outro e muitas vezes mais um ou dois. Resultado, uma tensão na ordem dos 17/19 de máxima e 9/10 de mínima.Como vês, está aqui um dos pecados cujos perigos conheço e de que não me liberto. Maus hábitos que se colam às nossas vidas e que quase se tornam cabos inquebráveis. Espero reduzir para um porque a curto prazo poderei ter dissabores graves. Olha, desconhecia muito do que aqui dizes. Reconheço, mais uma vez, que uma boa amizade não tem preço. A tua paciência para estas longas pesquisas tem resultado em benefício para quem te lê.

Bem hajas!

Mil beijinhossss

Tem uma boa noite!

elvira carvalho disse...

Amigo, excedeu-se. Não consegui chegar a metade do post. Volto amanhã. Bem que lhe peço para dividir os posts muito grandes, mas não me faz caso...
Um abraço

Menina do Rio disse...

Destes, o café é meu vício!!!

Antonio, o poema "Meninos na praça" foi escrito por mim alguns meses atrás e ia fazer parte do blog SOS MISÉRIA criado pela amiga Alda, mas ela acabou optando por não dar continuidade ao blog em parceria e usei-o agora, pois já tinha vontade de publica-lo. Deve ter sido por lá que o vistes na página dos fundadores.

Um beijo imenso!

Maria disse...

Excelente post, António.
Afinal há tanta coisa que eu não sabia sobre o café e que aprendi hoje....
... e pensar que dantes tomava 15 bicas por dia, um horror. As asneiras que eu fiz com o café, nem conto....
À medida que a idade avança tornamo-nos mais moderados. agora bebo café, mas não mais de dois...
Obrigada por este magnífico texto.

Beijinhos, António

Carminda Pinho disse...

Oh! valha-me Deus, amigo António,
que grande pesquisa sobre o café.
Eu continuo a beber o meu cafezinho com leite de manhã e a seguir um café, depois do almoço outro café, a meio da tarde se me apetece, outo e à noite quando janto cedo bebo mais um se janto mais tarde então bebo descafeínado.
Mas tem que ser sempre sem açucar, é que um bom apreciador de café nunca lhe junta açúcar...adultera-lhe o sabor,eheheh!
Mas pelo que li (e confesso que não li tudo)estou dentro do normal, não estou?

Beijos

Filoxera disse...

Terei de ler este post por partes, mas estou a achá-lo muito didático.
Adoro o aroma do café, e não o dispenso, mas apenas um ou dois por dia. Quando estive grávida, e até parar de amamentar, no entanto, deixei-o totalmente de lado.
Um beijo.

elvira carvalho disse...

Amigo vim agora acabar de ler o post, sobre o café, e já lá está outro sobre comida. Tenho pena mas não consigo acompanhar o seu ritmo.
Eu bebo dois a três cafés diários.
Muito do que diz, eu já sabia, metade não. Acontece que muito do que se diz, sobre café não é verdade segundo vários médicos. Por exemplo, o meu cardiologista, diz que dois a três cafés curtos por dia não influencia a hipertensão. Porque a dose de cafeína é minima. Uma só chavena cheia, contém mais cafeína, que duas ou três curtos. E no entanto vê-se a toda a hora, pessoas idosas a pedir um café cheio, que é mais fraquinho.
Quando foi detectado o problema do coração do meu pai, o cardiologista dele, mandou beber um café por dia, ou beber um chá verde, que segundo ele tem mais ou menos a mesma dose de cafeína, para ver se ele melhorava. E quando fez o ecocardiograma seguinte, estava melhor.
Outra coisa, o poema "meninos na praça" da Menina do Rio., foi publicado no Sexta, no dia 7 de Fevereiro de 2008 , com o titulo "Quando um comentário vira post", porque a Menina, o tinha deixado como comentário num dos meus posts.
Um abraço, e bom fim de semana

António Inglês disse...

Amigo Vieira Calado

Espero um dia poder tomar aí pela sua região um bom barranaço de medronho que há muito não me passa pelo estreito.
Desejo-lhe um óptimo fim de semana
António

António Inglês disse...

Sophiamar

O café é também um dos meus pecados.
Aliás, a tudo o que tenho vindo a publicar no Porentremontesevales sobre os pecados que nos podem causar vícios, farei no fim dos nove temas um comentário meu, pois tenho para mim que, tal como diz o título, estes pecados "podem" causar vício, mas julgo que se forem comedidos tal não acontecerá.
Desejo-te um bom fim de semana
Mil beijinhos
António

António Inglês disse...

Olá Elvira

É verdade que estes posts são um pouco longos, mas se não forem postos no seu todo, perde o efeito.
Além disso, tenho tomado em consideração os seus conselhos como sempre fiz, e penso que a fórmula que encontrei, misturando no texto algumas fotos, este torna-se mais suave e mais fácil de ler.
Espero que seu pai esteja bem melhor, bem como sua mãe.
Quanto a si espero que se cuide pois minha amiga, bem precisa.
Um abraço e bom fim de semana
António

António Inglês disse...

Menina do Rio

O meu "amigo alemão" faz-me destas de vez em quando, mas já sei onde o vi pois a nossa amiga Elvira já fez o favor de mo lembrar. É que foi ela que o publicou depois de lho ter enviado.
Está desvendado este mistério.
Quanto ao café, estamos em igualdade de circunstâncias pois também é um dos meus vícios se assim lhe posso chamar.
Desejo-lhe um excelente fim de semana.
António

António Inglês disse...

Olá Maria, bom dia

Pois também eu vou aprendendo à medida que vou fazendo buscas sobre as várias matérias que vou postando.
"Postar" nova palavra introduzida pela "blogosfera" no vocabulário português.
Quanto ao cafésito... pois eu vou tomando alguns, mas não tenho um número certo por dia, nem dele sinto necessidade.
Posso mesmo tomar um café à noite que não me tira o sono.
Um bom fim de semana e um beijinho
António

António Inglês disse...

Carminda

Pois minha amiga, o "nosso" normal é mesmo bebermos um número de cafés por dia que sai fora dos aconselhados, mas....
Desejo-lhe um óptimo fim de semana.
Um beijinho
António

António Inglês disse...

Filoxera

As suas palavras são sábias minha amiga, pois vejo que teve a consciência de ter evitado tomar cafés enquanto esteve grávida. É sinal de inteligência.
Infelizmente, as grávidas não têm esse cuidado nem outros.
Tema interessante para abordar um dia destes.
Um abraço e um bom fim de semana
António

António Inglês disse...

Elvira

Tal como o título que introduzi e que é comum às nove postagens, estes nove pecados "podem" causar vícios, não quer dizer que causem.
Aliás penso que o excesso de qualquer coisa é sempre nefasto, salvo raras excepções.
Depois ainda está para vir o dia em que eu encontre a mesma opinião em médicos, pois cada um tem a sua própria visão sobre o problema que se depara. Nem médicos nem advogados.
Mas ainda bem que assim é, pois nalguns casos tem sido essa divergência que muitas vezes salva uma vida.
Desejo-lhe uma vez mais um óptimo fim de semana
Um abraço
António

big river disse...

Por falares em cafeína, já estou com saudades dum cafezito ai para os lados de Chão da parada..
um abraço

António Inglês disse...

Big River

Só não vens se não te apetecer, sabes que a porta está sempre aberta.
Cá te espero.
Um abraço
António