domingo, 6 de abril de 2008

OS NOVE PECADOS QUE NOS PODEM CAUSAR VÍCIOS VIII!

*

8 - SEXO

«Pensar em fazer só aquilo» pode sinalizar patologias obsessivo-compulsivas e perturbações do impulso. Em Portugal, não há números, mas , nos EUA, estima-se que sofrem desta adição 16 milhões de pessoas, a maioria abusadas na infância



Internet Aguça Fantasias Sexuais

"Em todo o mundo, a procura por sites eróticos cresce a cada dia. É a democratização do sexo, que garante o anonimato dos navegadores e serve para dar mais emoção à vida sexual de pessoas de todas as idades. Entretanto, o limiar entre um comportamento saudável e uma atitude de vício pode ser estreito. Os especialistas recomendam terapias para aqueles que já se tornaram dependentes".

Basta apenas um clique para que homens e mulheres, de todas as idades e classes sociais, possam realizar suas fantasias mais inconfessáveis. Estimulantes não faltam. Shows eróticos ao vivo, fotografias que há alguns anos só poderiam ser olhadas em revistas especializadas, diálogos recheados de apelo sensual.

A Internet ajudou a democratizar o sexo. Pressionando algumas teclas, entra-se num mundo sem censura, do desejo expresso em imagem, som e movimento, dentro da intimidade dos lares. É a forma que diz não à repressão do desejo e que alia erotismo com uma pitada de realidade.

Por tudo isso, o número de adeptos dessa nova ''fórmula mágica'' de explorar o desejo cresce a cada dia. Com situações e cenas eróticas capazes de estimular o mais convicto dos celibatários, os sites viraram uma espécie de subterfúgio moderno, para dar vazão às fantasias sexuais. Na opinião dos especialistas, entretanto, o problema surge quando o que deveria ser apenas um trampolim para uma vida sexual saudável e ''apimentada'' se transforma em vício, desvendando psicopatologias sexuais, ou panafilias, como também são chamadas.




Pesquisas Apontam Preferência por Site de Sexo

Em todo o mundo, os endereços mais visitados são os de sexo. Segundo pesquisa realizada recentemente pela Sociedade Brasileira de Sexualidade Humana, 20 a 25% das pessoas que interagem com a Internet frequentam páginas eróticas. Nos Estados Unidos o número é maior. São nove milhões de frequentadores, dos quais quatro milhões podem ser considerados viciados. Dos nove milhões, 8,5% frequentam os sites por mais de 11 horas semanais.

Outra pesquisa demonstrou que 70% das pessoas que dialogavam em chats se encontravam na vida real. Destes, 80% tiveram envolvimento sexual também fora da Internet.



Possibilidade de Anonimato Estimula Procura

Neste contexto, a Internet transformou-se numa oportunidade para as pessoas liberarem o que está sendo reprimido. Antigamente, dar vazão a esse tipo de fantasia significava se expor. Hoje, ao contrário, conta-se com a vantagem do anonimato e até de maior segurança, tanto para quem procura quanto para quem presta os serviços sexuais via Net. O que a Internet fez foi dar margem para as pessoas expressarem a sua sexualidade, oferecendo estímulo para que a fantasia se desenvolva.



Perfil dos Adeptos do Sexo Virtual

De frente para o computador, o grau de ousadia depende do ''voyeur'' electrónico que se comunica pelo teclado. A conversa pode oscilar da delicadeza romântica, que agrada mais às mulheres e às vezes aos casais, até a afectuosidade carente dos solitários. Também dando espaço, é claro, para a vulgaridade ou escatologia.

Mulheres lançam mão do recurso para apimentar sua vida sexual. Ou matar o tempo com um belo colírio que está ali na tela para realizar seus desejos mais secretos.



Distúrbios Provocam Vício

Os malefícios do sexo virtual e do excesso de erotização pela Internet estão justamente na parcela que se torna viciada. O vício pode vir de um distúrbio prévio e a pessoa que acessa os sites não consegue viver sua vida real preferindo, exclusivamente, a Internet. É como se ela passasse a ser a única fonte possível de prazer do indivíduo. Essa situação pode levá-lo, inclusive, a abandonar qualquer possibilidade de relacionamento ou contacto físico real.



Tratamento

Para os terapeutas sexuais, as fantasias são importantes para manter a sexualidade em alta e a erotização cotidiana pela Net é um estímulo que pode ser positivo, importante para a vida. O que acontece é que a Internet funciona como válvula de escape. É o lugar mais permitido e de fácil acesso. As pessoas se dão mais permissão. É saudável desde que os navegantes que procuram esse estímulo se relacionem com outras pessoas, orientam os terapeutas.

Para quem só se utiliza do sexo virtual como forma de ter desejo e prazer, os terapeutas recomendam tratamento. No namoro virtual você é tudo o que quer ser e pode idealizar o outro da sua maneira. Os viciados são pessoas com dificuldade de relacionamento, têm timidez excessiva, dificuldade de se expor. Neste caso, devem procurar ajuda. Um psicoterapeuta pode indicar uma terapia em grupo, de casal ou individual para resolver o problema.

Blog + Boa Saúde



Pornografia na Internet a grande tentação

A Internet é tão persistente quanto potente, uma presença indelével e incontida na cultura. De fato, a Internet nem está separada em absoluto da cultura; é a cultura. Todo o lixo, refugo e dejectos de nossa sociedade ali encontra o seu espaço, e a menor das obsessões encontra ali o seu nicho, juntamente com Bach, obras caritativas e pores-do-sol. A Internet permite que um milhão de flores desabrochem, bem como um milhão de ervas daninhas.--Javier, Herron, & Primavera, 1998.



O que vem a ser vício sexual?

Pessoas que não são sexualmente viciadas--eu as chamarei "normais"--são capazes de desfrutar uma experiência sexual de tempos em tempos e daí dar atenção a outras coisas. Também são capazes de dizer não quando se sentem sexualmente excitadas mas não há possibilidade para actividade sexual.

O viciado sexual, por outro lado, está continuamente obcecado com pensamentos e emoções sobre sexo, e seu comportamento é controlado por seus impulsos sexuais. (Eu me referirei a viciados sexuais como homens neste artigo, uma vez que a maioria dos viciados sexuais são do sexo masculino. Contudo, algumas mulheres de fato se tornam também vítimas de vício sexual, e as recomendações neste artigo são igualmente válidas para elas).

Todas as dependências são caracterizadas por esta incapacidade da parte do dependente em dizer não a seus impulsos ao vício. Se o viciado sexual sente que "tem que fazê-lo" ele o fará. Não importa quão ameaçador seja o seu comportamento para a sua família, sua profissão ou mesmo sua vida, as emoções do viciado sexual o compelem a agir segundo os seus desejos.

O fundamento de todo vício sexual é a lascívia. Contudo, lascívia não é emoção sexual ou desejo sexual. Lascívia é usar outro ser humano para a própria gratificação sexual.



A lascívia não requer contacto físico com outra pessoa. Uma fotografia ou mesmo imagem mental do objecto desejado é suficiente para detonar a lascívia na mente do viciado. É por isso que a pornografia--seja em papel, na TV ou Internet--é um instrumento tão poderoso para a lascívia. Propicia as imagens que a alimentam.

A pornografia internética é particularmente viciadora porque o viciado não precisa dirigir-se a uma banca de revistas ou livraria para apanhar publicações pornográficas. Ele pode acessá-la na privacidade de seu lar.

Uma vez a pessoa esteja enredada, geralmente descobre que não consegue sair do seu vício por si mesma. Pode fazer milhares de promessas a si ou aos familiares, ou a Deus, de que vai parar, contudo mais cedo ou mais tarde está de volta praticando o seu vício.

Significa isso que está condenado a permanecer para sempre preso a isso? Absolutamente não!

Gary Hopkins

DireCtor do Centro de Pesquisa para Prevenção e professor-associado de ciências comportamentais da Universidade Andrews, Berrien Springs, Michigan, EUA.

Textos e fotos da Net
António Inglês

4 comentários:

Maria disse...

Creio que é a única "adição" que não consigo perceber bem....
... mas eu sou antiga, e para mim o sexo sempre fez parte do Amor e não o entendo (para mim, claro) de outra maneira...

Beijinho, António

Brancamar disse...

Olá Mano,
Grande post, como já nos habituaste!
No fundo como em todos os outros vícios também este peca pela dependência e o excesso. Se calhar não é por acaso que os números que aqui são apresentados são bastante significativos nos Estados Unidos da América. Já ma minha juventude ao ler alguns livros de especialistas na matéria os mesmos diziam que sendo uma sociedade nova e apesar de termos a ideia de um país desenvolvido, nessa matéria era e é ainda muito mais preconceituoso e puritano que qualquer país Europeu. Sendo assim é natural que a repressão social desenvolva alguns comportamentos patológicos que muitas vezes requerem acompanhamento psicológico ou psiquiátrico.
Quanto à procura de sexo pela net concordo com tudo o que neste post é exposto. Nada substitui a prática real da vida. Penso que as pessoas têm por vezes a ilusão que preenchem a sua solidão ou encontram atenções na net que as preenchem momentâneamente, mas se não houver uma continuidade real de uma relação não passará mesmo de uma ilusão que em nada será tão gratificante quanto o poderfá ser um encontro olhos nos olhos. Como dizem aqui os especialistas é uma fuga à relidade, muitas vezes por timidez, por trauma, por dificuldade de se expôr.
Contudo poderá realmente ser uma alavanca para outro tipo de relações mais reais. Antes escreviam-se cartas, agora poder-se-á começar um namoro pela net, poderá ser útil para um timido(a) que se queira declarar e atràs do monitor terá mais facilidade de avançar para uma situação real.
É tudo muito relativo e cada caso é um caso.
Um tema que dava pano para mangas, difícil de comentar em poucas linhas.
E por hoje já chega.
Desejo-te uma boa semana.
Beijinhos
Mana Branca

António Inglês disse...

Maria

É difícil falar sobre sexo. Para mim ele tem dois aspectos. Um, quando falamos em sexo resultante do Amor, como dizes e muito bem. Outro quando se fala em sexo pelo sexo.
E é aqui que penso que a inclusão do sexo num dos nove pecados se insere.
Na verdade, este sexo, serve de negócio e chega a ser viciante. É também a perdição de muitos cuja cabeça, a partir de certa altura, começa a funcionar mal.
Um beijinho
António

António Inglês disse...

Ólá Mana

Desde sempre que sexo e dinheiro foram as duas grandes "molas" que fizeram mover montanhas.
O negócio do sexo, dá muito dinheiro e pode realmente tornar-se um vício.
Eu creio que a grande falta de valores morais e de auto-estima, são as razões que levam muitos a perderem a cabeço com o sexo.
Hoje, em pleno século XXI, já devíamos saber falar dele sem grandes preconceitos e tabus.
Por alguma razão, apenas dois comentários foram feitos a esta postagem...
De qualquer das maneiras, tudo o que passe ao excesso é perigoso, disso não tenho dúvidas.
Um beijinho
António