domingo, 16 de março de 2008

UMA VELHA ASPIRAÇÃO!

*

AUTARCAS E GOVERNO ULTIMAM NEGOCIAÇÕES SOBRE O FUTURO DA LINHA DO OESTE



Autarcas do Oeste esperam obter na última ronda de negociações com o Governo compensações relativas à modernização da Linha do Oeste.




A modernização da linha ferroviária do Oeste, com acesso rápido a Lisboa e ao novo aeroporto, é uma das principais compensações que os autarcas do Oeste esperam obter na última ronda de negociações que estão a realizar com o Governo.
Do lado dos presidentes das Câmaras cujos concelhos são atravessados pela antiga linha do Oeste, como Torres Vedras, Bombarral e Caldas da Rainha, o objectivo é conseguirem do Governo uma moderna via férrea de ligação à capital e com acesso à gare do Oriente, à Linha do Norte e ao novo aeroporto.




A medida insere-se no âmbito das medidas compensatórias que estão a ser discutidas entre os autarcas e o Governo pela decisão de localizar o novo aeroporto de Lisboa no Campo de Tiro de Alcochete em detrimento da Ota como esteve previsto durante uma década.
A falta de investimento nesta linha, que de Torres Vedras demora cerca de uma hora a chegar ao Cacém, tem levado a que diariamente partam desta cidade, de autocarro e em viatura própria, utilizando a auto-estrada, milhares de pessoas com destino à capital.





Do lado do Governo e durante as negociações, "a secretária de Estado (dos Transportes) tem manifestado preocupação com o tempo de duração dos trajectos e essa também é uma preocupação nossa mas não é a única", disse o presidente da Câmara de Torres Vedras, Carlos Miguel (PS). O autarca socialista já "alertou" a secretária de Estado para "não (se limitar a) remodelar mas a refundar a linha pois só assim servirá as populações".
Nas negociações que estão a decorrer desde o final de Janeiro, tem sido "primordial (para o Governo) a redução do tempo de transporte" mas para o autarca de Torres Vedras é importante a "qualidade" e a "não suburbanização da linha".





"Queremos que além do tempo se discuta também a qualidade da própria linha e o serviço que ela vai prestar", disse Carlos Miguel defendendo "uma linha qualificada que sirva o transporte de pessoas, de mercadorias e que tenha em conta o turismo". "Há consenso absoluto e sintonia [entre os autarcas] sobre o que se pretende para a Linha do Oeste", frisou Carlos Miguel.





"Queremos que a Linha do Oeste tenha um acesso facilitado à capital com mais conforto e rapidez", disse hoje à Lusa o presidente da Câmara do Bombarral, Luís Camilo Duarte (PSD).
"A linha do Oeste deve ter uma nova função e ligar-nos ao TGV, à Gare do Oriente, à Linha do Norte e não uma linha até ao Cacém", sublinhou por seu lado Fernando Costa, presidente da Câmara das Caldas da Rainha (PSD) para quem são "fundamentais" as ligações rápidas à capital.
Das Caldas da Rainha até Leiria, Fernando Costa disse que o importante "é que haja ligação em Leiria à Linha do Norte".





Para demonstrar a importância da modernização da linha-férrea, Fernando Costa já chegou a declarar que "se for conseguida a modernização da linha tudo o resto são rebuçados".
O ministro das Obras Públicas, que presidiu sexta-feira a um encontro com os autarcas do Oeste disse que existe consenso sobre um conjunto de projectos "estruturantes" para a região, e que o horizonte temporal das obras a realizar se entende até 2017.
Questionado pelos jornalistas sobre o futuro da Linha do Oeste, o ministro escusou-se a prestar declarações remetendo para daqui a duas semanas a apresentação



“A renovação da Linha do Oeste, é uma velha aspiração de todos os naturais e residentes da região Oeste, e não só, que esperam, venha a concretizar-se o mais breve possível.
Creio que a modernização da Linha do Oeste não passará apenas pela actualização do equipamento, ou seja, comboios, linhas, estações e apeadeiros, mas também das passagens de nível que sendo evitadas muitas vidas pouparão.
Horários e tarifário, proporcionarão aos utentes da linha do Oeste uma verdadeira alternativa aos restantes transportes, pois a viagens tornar-se-ão mais rápidas, mais cómodas e mais económicas.
Sobretudo que esta renovação venha com a qualidade que a Região Oeste merece, pelo papel que neste momento já representa nos roteiros turísticos, e que a Região fique ligada de forma eficiente ao resto do país.”

Texto e fotos da Imprensa diária e Net

António Inglês
16 de Março de 2008

10 comentários:

Sophiamar disse...

Amigo querido, Mano António!

É bom que a nossa rede ferroviária volte a ter as condições e a importância que já teve.É um meio de transporte cómodo que, quando tem condições, é incomparavelmente melhor que o transporte público rodoviário.

Tu prestas mesmo serviço público a sério, ó autarca. Assim , alias o divertimento/ entretenimento à causa pública.
Bravo, amigo.
Tens-me aqui de olhos bem abertos para te ler com todo o gosto.

Beijinhosssssss mil e tantos.

Maria disse...

Longe vão os tempos em que, ao fim de semana, apanhava a "automotora" no Rossio e saía em Caldas, para voltar no domingo ao Rossio na hora sagrada das 19.10........
É cada vez mais importante que as várias redes de transportes sejam eficazes, em todo o País.

Beijinho, António

Brancamar disse...

Bravo mano António,
Não te escapa nenhuma notícia importante e esta aspiração dos residentes desta zona oeste parece-me que não será só deles, a ligação à linha Norte também é muito importante para os Nortenhos e concerteza será também para quem a sul pretender usar o acesso rápido de Lisboa a esta zona.O comboio poderá ser cada vez mais uma boa alternativa, mais económica, menos poluente e repousante porque normalmente permite a observação da paisagem, o que é bem diferente da condução em auto-estrada.
Fico à espera da renovação dessa linha.
Boa semana
Beijinhos

elvira carvalho disse...

Mais um bom post, desta vez sobre os transportes, ou mais concretamente alinha do oeste.
Um abraço

avelaneiraflorida disse...

Esperemos que se não esfume....no túnel das promessas!!!!

Brigados por este post, amigo António!!!!
Bjkas!

António Inglês disse...

Isabel
Nesta região a principal actividade neste momento é o turismo e ele não está a ser bem tratado por estas bandas.
Há muitos anos que lutamos por melhoria na linha do Oeste porque está obsoleta,e caduca, sem qualidade nem utilidade nenhuma.
A Refer não investe porque diz que a linha não tem rentabilidade. As populações reclamam porque não têm nem preços nem condições, nem horários para poderem concorrer com os restantes transportes públicos.
É um ciclo vicioso, e continuamos a ter um mau serviço com uma ou outra passagem de nível perigosa onde se vão perdendo vidas.
A ver vamos o que vão dar estas promessas e intenções do Governo e da Refer...
Um beijinho
António Inglês

António Inglês disse...

Maria

Pois esse tempo já lá vai há muito tempo.
A Refer deixou de apostar nestas linhas secundárias e estão neste momento completamente ultrapassadas.
Esperemos que este novo impulso seja a sério e o comboio se venha a demonstrar uma verdadeira alternativa para os restantes meios de transporte colectivos.
Um beijinho
António Inglês

António Inglês disse...

Branca

Pois minha amiga, é nossa obrigação, que estamos empenhados no bem estar das nossas populações e para isso fomos eleitos, estar alerta para estas coisas e não deixaremos passar nenhuma promessa em vão.
Sempre ouvi dizer que " rico não devas e a pobre não prometas"
Por isso cá vamos tomando estas e outras iniciativas que esperamos conseguir levar a bom porto.
Um beijinho
António Inglês

António Inglês disse...

Boa noite Elvira

Esta linha do Oeste tem mesmo de ser melhorada, senão um dia destes fecham-na para mal dos nossos pecados.
Um abraço
António Inglês

António Inglês disse...

Avelaneiraflorida

Esse é o grande perigo de todas as promessas políticas. Saem da boca dos políticos à velocidade da luz mas depois ficam no baú dos esquecimentos.
Esta Baía, acorda todos os dias a ouvir falar na sua despoluição, e embora eu reconheça que por algum lado se tenha de começar, essa despoluição anda prometida e nela se fala desde 1858....
Tem servido de slogan para campanha eleitoral e vai mantendo na enorme ilusão grande parte da população.
Ate´agora..... pouco se fez...
Veremos num futuro próximo. Por enquanto ainda vou dando o benefício da dúvida pois pelo menos a despoluição já mexe. Vamos ver é se chega ao fim...
Um beijinho
António Inglês