quarta-feira, 26 de novembro de 2008

ABERTURA DO VIVACI CALDAS GERA EXPECTATIVA


“Foi hoje oficialmente inaugurado o Centro Comercial Vivaci nas Caldas da Rainha com entradas permitidas apenas a quem tinha convite. Amanhã o Vivaci abrirá as suas portas ao público em geral, esperando-se uma daquelas enchentes à moda antiga, tal a expectativa que o espaço está a gerar na população da região.

Caldas da Rainha junta-se desta forma à maioria das grandes cidades portuguesas, oferecendo agora aos seus habitantes um lugar agradável onde é possível encontrar lojas das melhores marcas do mercado.”

AI.




Os moradores e comerciantes no Bairro Lisbonense não vêem a hora dos trabalhos ficarem concluídos, pelos transtornos que o ruído, movimentação e ocupação do estaleiro de obras provocaram. Mas segue-se outra fase difícil – a de adaptação ao previsível grande afluxo de pessoas ao novo centro comercial. O certo é que o sossego naquela zona jamais será o mesmo. Nesta altura fica também a dúvida se foram implementadas as melhores soluções para a circulação rodoviária e pedonal, o que só se conseguirá avaliar após a abertura.
Segundo o JORNAL DAS CALDAS apurou, a empresa construtora, do Grupo FDO, garante que as obras terminarão antes da inauguração do centro comercial, que representa um investimento total de 34,6 milhões de euros e permitirá a criação de cerca de mil postos de trabalho directos e indirectos.



O novo Vivaci possui uma área bruta de construção total de 32.756 metros quadrados e uma área bruta locável de 14.200 metros quadrados. Terá quatro pisos comerciais, 60 lojas, 14 restaurantes, cinco salas de cinema, um supermercado e um parque de estacionamento coberto em três pisos subterrâneos com capacidade para 460 viaturas.
Foi já confirmada a presença de várias lojas do Grupo Inditex – com as insígnias Kiddy´s Class, Pull & Bear, Oysho, Stradivarius, Bershka e Zara Lefties –, bem como da loja de roupa para crianças Zippy, da loja de moda Tribo, da Page One, da loja de desporto Sportzone, da livraria Bertrand, da Multiópticas, do supermercado Pão de Açúcar, da loja de electrodomésticos Rádio Popular, dos Cinemas Vivacine em parceria com a Zon Lusomundo, da cervejaria Portugália e da Burguer Ranch. O Millenium
BCP terá uma agência no novo centro comercial. A comercialização do Vivaci Caldas da Rainha é da responsabilidade da Jones Lang LaSalle.
Caso não fuja às semelhanças com o mais novo centro comercial Vivaci, inaugurado na Guarda, disporá de algumas valências que o tornam um centro ecológico, com o pré-tratamento de esgotos e o sistema de poupança de água – através de colocação de torneiras temporizadas e do aproveitamento da água dos reservatórios de incêndio para alimentação de torneiras de serviço e de lavagem.



Na mesma linha, quanto ao sector da segurança, disporá de um sistema automático de detecção de incêndios e de vigilância em circuito fechado de televisão. O espaço comercial integrará ainda portões corta-fogo nos parques, bem como processos automáticos de extinção de incêndios, de desenfumagem dos estacionamentos e de detecção de fugas de gás nas caldeiras, entre outras valências. O espaço possuirá ainda escadas rolantes.
A Central de Informação foi a agência escolhida, em concurso, para a campanha de lançamento e o evento de inauguração do centro comercial. O projecto incluiu toda a comunicação externa junto da população, bem como a gestão da comunicação junto dos media.
A construção foi efectuada ao longo de 19 meses. Inicialmente estava previsto chamar-se Fórum Teathrum, mas a FDO preferiu o seu novo conceito denominado Vivaci (”uma cidade mais viva”), insígnia sob a qual tem neste momento dez projectos de centros comerciais em desenvolvimento (Guarda, Caldas da Rainha, Maia, Évora, Setúbal, Lamego, Barcelos, Felgueiras, Beja e Vila Nova de Gaia), num investimento global de 400 milhões de euros.
A derrocada da fachada do Hotel Lisbonense, em Julho deste ano, que a FDO estava a requalificar, fez atrasar a reabertura da unidade hoteleira, o que agora se prevê para o primeiro semestre de 2009. Contudo, esta era já a data agendada quando o Vivaci Caldas foi apresentado à imprensa, em Outubro de 2007, pelo que a abertura em simultâneo nunca foi uma promessa do promotor imobiliário.



Na última decisão da Câmara Municipal sobre a obra do Hotel Lisbonense, devido a um requerimento apresentado pela FDO relativo às condicionantes da execução que originaram a replanificação dos trabalhos, foram aceites as seguintes datas para construção da estrutura e alvenarias do Hotel: Até 30 de Novembro, a execução da estrutura de betão armado do Hotel até à quarta laje; Até 30 de Dezembro, a execução da estrutura da cobertura; Até 30 de Janeiro de 2009, a conclusão de toda a estrutura e alvenarias.
Foi aceite uma garantia bancária, que será accionada caso as obras do Hotel não se encontrem concluídas nos prazos referidos.
Os vereadores do PS votaram contra, explicando que “apesar da mais valia que será para a cidade, trata-se de uma construção e não já uma reconstrução com salvaguarda da memória histórica e construtiva do imóvel e a não consecução de um projecto urbanístico que possibilite a ligação do Hotel/Centro Comercial ao Centro Histórico e ao Centro Termal”.




Concorrência da Sonae

“E se pensavam que ficávamos por aqui, enganaram-se! Preparem-se porque vem aí outro grande espaço! Não há fome que não dê em fartura.

Neste último ano a cidade vê inauguradas duas grandes obras que engrandecem o Concelho. O CCC e agora o VIVACI. É obra!”

AI.

Já com a construção do centro comercial em curso, a FDO foi surpreendida com o anúncio da instalação de outra grande superfície nas Caldas da Rainha – o Centro Bordalo (ex-Rainha Shopping), da Sonae, o que levou à elaboração de uma carta de protesto enviada ao presidente da Câmara.
“Para garantir a estabilidade mínima deste investimento, é necessário que seja garantido apenas o Vivaci Caldas da Rainha, permitindo à
FDO e aos lojistas deste empreendimento condições mínimas de funcionamento e de gestão do seu negócio que garantam o sucesso desta operação. Bastou por exemplo, ser do conhecimento dos lojistas em geral que a Sonae já está a comercializar o possível centro comercial deles, que já não assinaram os contratos, até que seja aprovado ou não este novo projecto”, manifestou na ocasião Manuel Ferreira Dias, presidente da FDO.
O empresário pediu a Fernando Costa que tivesse em conta que “a eventual presença de outro centro comercial na cidade das Caldas da Rainha só deverá ser uma realidade após o período mínimo da maturidade do Vivaci Caldas da Rainha”.
A carta serviu de pressão e a autarquia acabou por retardar a aprovação do centro comercial da Sonae, que está ainda em fase de licenciamento.
A
FDO já anteriormente tinha estado em litígio com a Câmara das Caldas, por causa da construção do Centro Cultural e de Congressos (CCC). O concurso público tinha sido ganho pelo consórcio Ensul/FDO, mas desentendimentos quanto ao pagamento de equipamentos que não foram especificados no caderno de encargos desta infra-estrutura levaram o caso a tribunal. A autarquia chegou a acordo com o consórcio, que desistiu da construção, que viria a ser adjudicada à empresa Mota-Engil, Engenharia e Construção SA.
Foi nessa altura que a
FDO manifestou interesse em construir um centro comercial junto ao Hotel Lisbonense.

Francisco Gomes

Jornal das Caldas

Fotos da Net

António Inglês


11 comentários:

goooooood girl disse...

your blog is feel good......

Fatima disse...

Haja dinheiro, que centros comerciais não nos faltam.....

gaivota disse...

pois é verdade, mais um centro comercial em caldas... está muito bom este texto, mas sabes do que mais gostei? essa foto da praça, da minha praça, onde nasci e vivi até aos 16 anos, quando vim de vez para a "cidade"... as recorações que trago dessa paraça...
e da foto dos pavilhões do parque, do meu parque...(hoje estou assim!!!)
mas sabes, antónio, quando posso é aí à praça que vou às compras... e na rua das montras sempre trago qualquer coisita, agora com a loja dos artesanatos, já por lá me perdi, nas verguinhas de caldas...
será que estou a ficar velha???, olha que bom!!!
beijinhos

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querodo António, adorei o belo tarbalho de pesquisa Amigo, fazes-me lembrar outros tempos... Beijinhos de carinho e ternura,
Fernandinha

aramis disse...

Meu amigo, voltei a visitar-te após algum tempo de ausencia... Como sempre, artigos mesmo muito bons!
Sabes quando abrirá em pleno o Vivaci?
Muitos beijinhos, bom trabalho com a organização da "nossa" Festa de Natal e um abração ao meu "trio maravilha"!

António Inglês disse...

Gooood girl

So kind... thank you!

António

António Inglês disse...

Fátima

Pois é verdade, e parece que irá aparecer outro aqui pelas Caldas
Abraço
António

António Inglês disse...

Gaivota

A praça é um local de referência das Caldas e é onde vou com a minha mulher quase todos os dias.
Poderão existir muitos centros comerciais mas o centro das Caldas é já de si um enorme centro comercial a céu aberto.
Se te sentes velha por causa disso, então que direi eu...
Um beijinho
António

António Inglês disse...

Fernandinha

Quero e vou conseguir voltar aos meus tempos de inicio de blogue.
Sei que tenho andado muito afastado mas voltarei. Mais comedido mas voltarei.
Beijinhos
António

António Inglês disse...

Aramis

Olá querida amiga. Voltas-te ao fim de algum tempo mas sei bem das razões que te levaram a esse afastamento. Ainda bem que tudo se compôs e cá estás de novo.
Quanto ao Vivaci, ele já abriu em pleno mas se queres um conselho não ponhas o carro no parque de estacionamento.
Para além de caro, afigura-se perigoso pois ontem, já saí, embora com cautela, e fui até lá.
Na hora da saída, como tinha o carro no piso -2, foi o caos. Tudo a buzinar, em fila à espera para sair e foram 45 minutos de espera.
Tão somente porque os acessos da saída do parque estavam completamente "entupidos".
Ficou provado que se tivesse havido uma emergência, por exemplo fogo no estacionamento, bem que poderíamos ter morrido todos lá dentro.
Os seguranças não sabiam o que fazer, o cheiro nauseabundo no interior dos estacionamentos fez muita gente sair dos carros e sair pelo seu pé pelo interior do Centro Comercial, e não tinham resposta para o sucedido. Afirmavam que talvez fosse das dezenas de carros que estavam em fila com os motores ligados em espera para saírem do estacionamento.
Interpelei vários seguranças e afirmaram-me que se encontravam sem solução, e que nem as autoridades os ajudavam. A verdade é que não vi nenhum polícia no local, nem de segurança nem de trânsito.
Dizia-se à boca fechada antes de o Centro abrir, que os acessos não eram suficientes, que não havia saídas suficientes nem estacionamento no exterior suficiente.
Neste sábado ficou provado que a voz do povo tinha razão.
Não sei o que acontecerá se de uma emergência se tratar no interior daquele estacionamento que apenas tem uma saída para veículos.
Grave, muito grave.
Beijocas.
António

Anónimo disse...

estou aki para afirmar que os distribuidores de encomendas de varias lojas no vivaci das caldas da rainha tem um horario muito pouco flexivel, senao vejamos, so podem entregar os objectos até as 09:30 e na realidade algumas lojas so abrem as 10h.isto é impossivel nestas condiçoes nao conseguem entregar a mercadoria.
apesar de tudo os logistas estam de acordo quanto ao horario de entregas que seja mais prelongado.
quanto ao que se sabe é mesmo a adm do centro que nao quer dar o braço a troçer.
ajuda precisa-se