quinta-feira, 20 de novembro de 2008

BRASIL HUMILHA PORTUGAL COM UM EXPRESSIVO 6-2.


Brasil encerra jejum de golos em casa em grande estilo, vence batalha de craques contra Cristiano Ronaldo e Dunga ganha alívio após resultados ruins em 2008

Se antes de a bola começar a rolar para Brasil e Portugal nesta quarta-feira, na cidade-satélite do Gama, no Distrito Federal, a expectativa era pelo duelo entre o actual melhor do mundo, Kaká, e o provável futuro, Cristiano Ronaldo, ao final do jogo outro nome foi reverenciado por todos no Bezerrão: Luis Fabiano.

O atacante do Sevilha marcou três golos na impressionante virada brasileira para cima de Portugal por 6 a 2 e deixou o campo ovacionado aos 23 minutos do segundo tempo, quando foi substituído pelo “Imperador” Adriano. De quebra, ajudou a equipe de Dunga a acabar com dois incómodos jejuns: o de não marcar golos no país, que já durava três partidas (Argentina, Bolívia e Colômbia) e o de não vencer os portugueses, que incomodava os brasileiros desde 1989.

Completaram a goleada o lateral-direito Maicon, da Inter de Milão, o meio-campista Elano, do Manchester City, e Adriano, da Inter de Milão. Para Portugal, marcaram o meia Danny, logo aos cinco minutos de jogo, e o atacante Simão Sabrosa, no segundo tempo.
...

O jogo: O pontapé inicial dado por Pelé, o homenageado da noite no estádio Bezerrão pelo 39º aniversário de seu milésimo golo, parece ter inspirado o homem responsável por marcar os golos da equipe: Luis Fabiano.

O primeiro golo do jogo, no entanto, foi dos visitantes. Deco cobrou escanteio da esquerda, a zaga brasileira não cortou e a bola sobrou para o zagueiro Bruno Alves, que chutou forte. No meio do caminho, Danny, do Zenit, da Rússia, desviou “de letra” e abriu o placar logo aos cinco minutos: 1 a 0.

Quando tudo levava a crer que os visitantes poderiam complicar a vida do Brasil, o zagueiro Pepe, naturalizado português, mostrou que ainda tem sangue verde e amarelo correndo em suas veias e “ajudou” a equipe de Dunga.

Pressionado por Robinho, o zagueiro do Real Madrid entregou o ouro para o atacante do Machester City cruzar com perfeição para Luis Fabiano, com calma, dominar, empatar a partida e acabar com um jejum de três partidas da selecção sem balançar as redes em jogos disputados no Brasil: 1 a 1, aos nove minutos.

Reequilibrado, o Brasil passou a jogar melhor e chegou à virada aos 25. Kaká fez grande jogada pela direita, prendeu a bola e cruzou para trás. Luis Fabiano, bem colocado, fez o giro e bateu forte, sem chances para Quim: 2 a 1. Kaká ainda desperdiçou boa chance para ampliar antes da descida para os vestiários, mas o placar parcial ficou mesmo 2 a 1.

Massacre: Na volta para o segundo tempo, Cristiano Ronaldo, que levou a pior em uma dividida com Elano ainda na etapa inicial, não conseguiu fazer jus ao rótulo de favorito ao título de melhor jogador do ano e seguiu produzindo pouco.

Quem seguiu produzindo muito foi Luis Fabiano. Aos dez minutos, o atacante participou de linha de passe de alto nível junto com Elano e Robinho e serviu para a chegada do lateral-direito Maicon, que encheu o pé e aumentou: 3 a 1, para delírio dos torcedores.

O que já era alegria virou êxtase dois minutos depois. Maicon chegou ao fundo e cruzou para Robinho, que fez o giro e bateu forte. Quim rebateu nos pés de Luis Fabiano, que estufou as redes pela terceira vez na noite e transformou a virada em goleada: 4 a 1.

Simão Sabrosa, em nova falha da defesa, chegou a fazer 4 a 2 e diminuir o vexame, mas Elano, em um lindo chute quase sem ângulo marcou o quinto golo e fechou com chave de ouro o ano da selecção brasileira.

Ovacionado, Luis Fabiano deixou o campo para a entrada do “Imperador” Adriano, que lutou muito e deixou sua marca, de cabeça, fechando o massacre: 6 a 2. Cristiano Ronaldo, por sua vez, saiu em baixa: discutiu com Marcelo e levou cartão amarelo do árbitro, ao som das vaias do torcedor do Distrito Federal.

Gazeta Press



Comentário

Simplesmente humilhante este jogo que os portugueses não conseguiram nem souberam conduzir, quase desde os primeiros dez minutos da partida.

Portugal até entrou bem no jogo e logo aos cinco minutos marcou a primeiro da partida.

Mas as coisas não correram bem para Portugal que viu o Brasil empatar quatro minutos depois. Ainda na primeira parte o Brasil fez o segundo golo numa oferta de Natal do luso-brasileiro Pepe que facilitou a vida à selecção brasileira, começando aí o verdadeiro massacre que os canarinhos exerceram sobre a equipa das quinas.

A segunda parte, foi ver o marcador aumentar, ainda que Simão tenha feito o 4-2, e assistir aos gestos interessantes de Carlos Queiroz por cada golo que o Brasil marcava.

Na verdade, era mesmo de esconder a cara porque esta selecção nacional tem vindo de derrota em derrota, qual delas a mais fraca e os resultados são disso prova. Por cada novo jogo, nova e triste exibição portuguesa que não vence nem convence.

Tenho a certeza de que muitos portugueses, que como eu se aguentaram em pé para assistir ao jogo na TVI, suspiraram dúzias de vezes por Luís Filipe Scolari.

Este jogo foi mau de mais para ser verdade. Faltou força mental e anímica. Faltou fio de jogo e colectivo. Faltou um meio campo forte e esclarecido e esta madrugada faltaram pontas de lança e faltaram as nossas vedetas que estiveram completamente apagadas. Portugal não pressionou e as vedetas brasileiras, essas sim, fizeram toda a diferença. Mal comparado, fiquei com a sensação de que estava a assistir a uma prova entre um Ferrari e um Fiat 600, tal a diferença entre as duas equipas.

António Inglês

Fotos da Net

8 comentários:

São disse...

Bom, prevendo o descalabro me fui deitar aos 2o minutos da segunda parte...
E Ronaldo, dito "o melhor do mundo", quando aparece, afinal na Selecção?!
Fica bem, companheiro.

gaivota disse...

olha antónio, bem fiz eu que fui ao pavilhão da luz ver os meus rapazes darem uns 6-0 ao barcelos...depois fui jantar e nem quiz saber dessa vergonha desse passeio a terras do lado de lá do rio...
beijinhos

António Inglês disse...

São

Pois é mas eu fiquei até ao fim!
Fui deitar-me cheio de "cócegas"...
é que me lembrei tanto do Scolari...
Enfim, esta selecção e mais os craques que lá estiveram não se viram...
Ronaldo? Já o toparam e se queria tirar despique com Káká, ficou a milhas...
Foi um jogo em que correu tudo mal e até nem começámos assim tão mal, mas depressa os jogadores se eclipsaram...
Por onde terão andado?
Um abraço
António

António Inglês disse...

Gaivota

Valha-nos ao menos a "nossa" rapaziada que vai fazendo pela vida e pelos visto de maneira brilhante.
Parabéns aos teus/nossos rapazes.
Do que vi ontem à noite nem quero falar mais.

Um abraço
António

Anónimo disse...

brrrrrrrrrrrrrrraaaaaaaaaaasssssssssiiiiiiiillllllll !!!!!!!!!

levi´s disse...

brasil!!!!!!!

LEVIS disse...

BRASIL!!!!

António Inglês disse...

Meus caros Anónimo e Levis


Sem dúvida, BRASIL! Grande lição de bola.
Obrigado pelas visitas.
António