segunda-feira, 15 de setembro de 2008

UMA LIÇÃO DE VIDA


A Ratoeira
Um rato olhando pelo buraco na parede vê o fazendeiro e sua esposa abrindo um pacote. Pensou logo que tipo de comida poderia ter ali. Ficou aterrorizado quando descobriu que era uma ratoeira. Foi para o pátio da fazenda advertindo a todos:
"Tem uma ratoeira na casa, uma ratoeira na casa."




A galinha, que estava cacarejando e ciscando, levantou a cabeça e disse:
"Desculpe-me Sr. Rato, eu entendo que é um grande problema para o senhor, mas não me prejudica em nada, não me incomoda."




O rato foi até o porco e disse-lhe:

"Tem uma ratoeira na casa, uma ratoeira."
"Desculpe-me Sr. Rato, mas não há nada que eu possa fazer, a não ser rezar. Fique tranquilo que o senhor será lembrado nas minhas preces."




O rato dirigiu-se então à vaca. Ela disse:
"O quê Sr. Rato? Uma ratoeira? Por acaso estou em perigo? Acho que não!"
Então o rato voltou para a casa, cabisbaixo e abatido, para encarar a ratoeira do fazendeiro. Naquela noite ouviu-se um barulho, como o de uma ratoeira pegando sua vítima. A mulher do fazendeiro correu para ver o que havia pegado. No escuro, ela não viu que a ratoeira pegou a cauda de uma cobra venenosa. A cobra picou a mulher. O fazendeiro levou-a imediatamente ao hospital. Ela voltou com febre. Todo o mundo sabe que para alimentar alguém com febre, nada melhor que uma canja. O fazendeiro pegou seu cutelo e foi providenciar o ingrediente principal. Como a doença da mulher continuava, os amigos e vizinhos vieram visitá-la. Para alimentá-los o fazendeiro matou o porco. A mulher não melhorou e muitas pessoas vieram visitá-la. Muita gente veio vê-la e o fazendeiro então sacrificou a vaca para alimentar todo aquele povo.
Na próxima vez que você ouvir dizer que alguém está diante de um problema e acreditar que o problema não lhe diz respeito lembre-se que, quando há uma ratoeira na casa, toda a fazenda corre risco.




Texto e Fotos da Net António Inglês

6 comentários:

elvira carvalho disse...

E eu estou preocupada. Tenho medo dessa ratoeira, da mesma maneira que fiquei assustada com o post anterior. Por favor amigo está bem?
Passa-se alguma coisa? Estamos preocupadas consigo.
Um abraço

Fatima disse...

E há tantas ratoeiras à nossa volta!

Sophiamar disse...

António

Voltarei para fazer um comentário mais longo mas como estou de saída apenas deixo aqui um pedido: dá notícias. Estamos preocupadas. Estes posts parecem indiciar que algo não está bem. O anterior nem tive palavras para o comentar.Que se passa? Conta, envia email, telefona...
Beijinhos

Sabel

Sophiamar disse...

António

Voltarei para fazer um comentário mais longo mas como estou de saída apenas deixo aqui um pedido: dá notícias. Estamos preocupadas. Estes posts parecem indiciar que algo não está bem. O anterior nem tive palavras para o comentar.Que se passa? Conta, envia email, telefona...
Beijinhos

Sabel

amigona avó e a neta princesa disse...

Nem mais! Tenho saudades...beijos...

Geo disse...

Olá António!! Estava sumida, mas com muita saudade de sua casa, demorei para comentar pois queria ler todos as postagens que perdi, começo por esta...

Nesse ritmo que andamos e também devido aos valores que estão sendo passados mais outras coisas, as pessoas não estão a se importar muito com o próximo, mas posso até dizer por mim com um exemplo, morei 3 anos num prédio e não conhecia direito meus vizinhos, saia pela manhã bem cedo, chegava a noite, bem tarde, de forma que no terceiro ano recebi um convite de uma carona, fiquei surpresa...assim vamos levando, de forma tambem, a não nos importarmos com a dificuldade do outro, esquecemos que as atitudes se propagam e, com certeza, estamos todos ligados.

Adorei a historia do ratinho!

Beijo