quarta-feira, 17 de setembro de 2008

BONS AMIGOS



Abençoados os que possuem amigos, os que os têm sem pedir.
Porque amigo não se pede, não se compra, nem se vende.
Amigo a gente sente!

Benditos os que sofrem por amigos, os que falam com o olhar.
Porque amigo não se cala, não questiona, nem se rende.
Amigo a gente entende!

Benditos os que guardam amigos, os que entregam o ombro pra chorar.
Porque amigo sofre e chora.
Amigo não tem hora para consolar!

Benditos sejam os amigos que acreditam na tua verdade ou te apontam a realidade.
Porque amigo é a direcção.
Amigo é a base quando falta o chão!

Benditos sejam todos os amigos de raízes, verdadeiros.
Porque amigos são herdeiros da real sagacidade.
Ter amigos é a melhor cumplicidade!

Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinho,
Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!

Machado de Assis

Foto da Net


António Inglês



14 comentários:

Dalinha Catunda disse...

António,
É muito bom ver o amigo de volta, depois de passar por lugares maravilhosos, que ainda preservam suas tradições.
Fiquei deveras encantada com a beleza das imagens e dos relatos feitos por você.
Um abraço e parab´ns pela postagem de "Bons Amigos"
Dalinha Catunda

elvira carvalho disse...

Assim sim Amigo. Assim gosto.
É um texto muito bonito, de que eu conhecia apenas a frase final.
Um abraço

Maria disse...

Finalmente consigo comentar-te...
É bom ter-te de volta aqui.
Fico com a última frase
"Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas"

Um abraço, Antómio

Fatima disse...

E que bem dito está o poema......

Sophiamar disse...

Tó, amigo!

Fiquei mais descansada. Depois de ver um post com uma mão prestes a afundar-se, a história da ratoeira que atingiu todos ainda que nunca tivessem pensado nisso,deixaram-me num estado tal que se não fosse a Elvira quase teria irrompido pela tua casa a fim de saber o que se passava. Não gostei nada daquele post. O medo tolhe-nos, impede-nos de tomar qualquer acção e ainda por cima só uma mão à tona de água. Que é lá isso! Amigo, nós estamos aqui, a tua família e amigos reais também, vamos lá retomar a energia que sempre te caracterizou.
Hoje, sinto-me outra embora as sequelas de algumas desilusões da net não sejam tão fáceis de debelar quanto isso.
Beijinhos e um abração grande, grande.

Sabel

António Inglês disse...

Dalinha

Bons olhos a vejam por estes lados após tanto tempo sem nos falar-mos.
Este período de Verão na Europa é sempre complicado pois se o tempo já nos foge em outras alturas, então neste época a coisa piora.
Um abraço e breve a visitarei
António

António Inglês disse...

Elvira

Bom dia amiga. Tudo acabará por se endireitar, a vida, a saúde, o destino e ... a sorte ou a falta dela.
Um grande abraço para si
António

António Inglês disse...

Olá Maria

Que saudades eu tenho de ti, dos teus comentários, da tua companhia virtual.
Estou certo de que tudo se encaminhará para uma normalização.
Breve irei visitar-te pois estou em falta para contigo. Aliás estou em falta com os amigos quase todos.
Um grande abraço e um beijinho
António

António Inglês disse...

Fátima

Poema que traduz muito bem o que são os amigos, mesmo virtuais.
Um abraço
António

António Inglês disse...

Isabel

Percebo a tua preocupação e talvez os posts não tenham sido os mais felizes, mas sinceramente os momentos fizeram-me sentir daquela maneira.
O medo que se apodera de nós em determinados momentos da vida tolhe-nos os pensamentos e o raciocínio e é preciso parar um pouco e reflectir para recuperar o animo.
Infelizmente, nestes últimos tempos as minhas crises têm sido quase constantes e aparecem umas atrás das outras. Quase não deixam que me recomponha da anterior.
Já sabes agora os contornos de tudo o que se passou, e espero que fiques absolutamente descansada.
Reconheço que Al Berto também transportou para aqui uma carga extra de sensações pouco confortáveis por todas as razões e mais uma.
Por vezes deixamos que as tristezas nos invadam e eu que até adoro Fado, esqueço-me de cantar um, como diz a cantiga.
Sabes que elas não matam mas moem e vão deixando marcas que são difíceis de apagar, no entanto também sei que acabo por superar estas batalhas. Este ciclo infernal terminará aposto, e se teimar em não acabar, acabo eu com ele.
Um grande abraço e um beijinho.
Bem hajas pela amiga que és e a minha casa está, sempre estará aberta a que nela entres quando e como quiseres.
António

elvira carvalho disse...

Amigo passei por aqui para lhe deixar um abraço, e desejar que tudo caminho no sentido que deseja.
Um grande abraço

aramis disse...

Meu querido amigo, mas que boa escolha!.... Lindo e bem verdadeiro este poema.
Muitos beijinhos e.... aguardo uma visita tua!

Joaninha disse...

António

vim deixar um abraço e um beijinho.

Geo disse...

Lindo poema!! E recebê-lo de um amigo o torna ainda mais especial...Beijo