domingo, 17 de fevereiro de 2008

TUNEL DA ESTAÇÃO DO ROSSIO FOI REABERTO ONTEM DIA 16 DE FEVERERIRO 2008

*


TRÊS ANOS DEPOIS DE ENCERRADO O TÚNEL DO ROSSIO FOI HOJE REABERTO





3 anos e 60 milhões de euros depois, os comboios da linha de Sintra voltam a circular no Túnel do Rossio, com segurança acrescida. Mário Lino justifica derrapagem de 9,5 milhões. Viagens gratuitas este fim-de-semana.






«Estamos a resolver os pontos de estrangulamento nos transportes da área metropolitana de Lisboa. Está resolvido mais um», declarou o primeiro-ministro, na cerimónia de inauguração. O custo total da obra ascendeu a 60 milhões de euros, com uma derrapagem financeira de 9,5 milhões. José Sócrates não comenta.





O ministro das Obras Públicas justificou-a com a troca de empreiteiro e a monitorização, recusando que se tenha devido a problemas de gestão. A rescisão do contrato com o consórcio Teixeira Duarte/Epos causou «um aumento dos custos», porque obrigou a um «prolongamento do tempo de estaleiro», disse Mário Lino.




De acordo com o ministro, foi feito um trabalho que «não estava inicialmente previsto, a monitorização do túnel», que implicou «um conjunto de equipamentos durante a fase de construção e de exploração» e «um milhão e 200 mil euros» de custos a mais.




Encerrado pela REFER em Outubro de 2004, entre as estações de Campolide e do Rossio, após detectadas deficiências estruturais graves, a travessia ferroviária sofreu profundas obras de requalificação, acompanhadas de vários atrasos, que prejudicaram os cerca de 200 mil passageiros diários da linha de Sintra.





Orçado inicialmente em 8,8 milhões de euros, o projecto implicou a reestruturação do espaço urbano envolvente, incluindo o Largo Duque de Cadaval e fachadas de edifícios.





Como novidades, a estação passa a ter espaços culturais e comerciais, incluindo serviços de restauração, quiosques e escritórios. No total, cerca de 3.900 metros quadrados. Vão passar a circular seis comboios por hora em cada sentido, entre Sintra e Lisboa.





SEGURANÇA


O coordenador geral da obra, José Clemente, garantiu ontem condições de segurança. A Comissão de Utentes da Linha de Sintra considera que não são suficientes. Um dos consultores do projecto criticou a falta de saídas de emergência.



Não foi realizado qualquer simulacro de acidente, mas os bombeiros executaram vários testes de segurança à infra-estrutura, não tendo detectado qualquer anomalia. José Clemente sublinha que a infra-estrutura foi reparada com os requisitos mais exigentes.



Foram instalados equipamentos de prevenção e combate a incêndios, e um sistema de monitorização automático com transmissão de dados à distância, que permite o controlo e medição em tempo real das condições estruturais.




A intervenção abrangeu igualmente a instalação de sistemas de ventilação e desenfumagem, câmaras de vídeo vigilância e uma saída de emergência vertical (com 26 metros de altura) a meio do túnel.





As viagens são gratuitas este fim-de-semana.



HISTÓRIA RESUMIDA

1887-1890: Construção do túnel e estação do Rossio, considerada a maior obra de engenharia portuguesa do século XIX;





1887 (Maio): Um operário começou a escavar do lado de Campolide, outro na zona do Rossio. Encontraram-se na noite de 23 para 24 de Maio de 1888;




1889 (Abril): Um comboio atravessa pela primeira vez o Túnel do Rossio;



1890 (Junho): Inaugurado oficialmente pela Companhia Real dos Caminhos-de-ferro Portugueses. A viagem inaugural demorou cerca de 27 minutos. As máquinas, alimentadas a hulha, circulavam então a seis quilómetros/hora;



1926: Regista-se a primeira ameaça de colapso. O tecto abateu por causa da humidade;




2004 (Outubro): O Túnel do Rossio, entre as estações de Campolide e do Rossio, foi encerrado por razões de segurança, decisão tomada na sequência de um relatório do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC);




2008: Na reabertura, o túnel surge com uma plataforma contínua em betão, que funciona como uma espécie de estrada. Com os carris ao nível do solo, a via permitirá a circulação de veículos automóveis, nomeadamente de ambulâncias e carros dos bombeiros.
Lusa

Fontes : Textos Net e Lusa
Fotos da Net

José Gonçalves

8 comentários:

Maria disse...

Excelente foto-reportagem.....
Obrigada, Zé Gonçalves. Afinal o Rossio é um pouco de todos nós...

Bom domingo
Beijinho

Sophiamar disse...

Ora cá estou! De acordo com o prometido. Tens lá, a ver o mar, o desafio da quadragésima. É só copiar e pesquisar uma frase. Bíblica ou não. Podes ser tu o autor. Tens substracto anímico, psicológico, humano para fazer uma frase. Sim, amigão, sei o que estou a dizer. Quem se dedica aos outros como tu o fazes, cria com as suas palavras uma excelente frase.
E, depois, nomeias, segundo a Lisa, a Elvira que continuará com certeza.
E agora, vamos lá ao comboio, à bela estação neo-manuelina, que pisei tantas vezes. Moradora na Estrada de Benfica, ali para os lados da 2ªcircular, durante cinco anos, apanhei muitas vezes o comboio para o Rossio e vice-versa. Estou numa de recordações e aqui que ninguém nos ouve, acabei de chorar com a leitura do teu comentário ao meu post da história de há trinta anos. Só tu mesmo, coração de manteiga, para contar o tal telefonema. Há episódios que nos relatas que ainda nos fazem gostar mais de ti. Ai, ai, esse coração.
Voltando ao Rossio e à estação que tão boas memórias me traz, o teu post é um documento fotográfico de uma invulgar beleza. Parabéns! Quanto às palavras, tuas ou não, interessa a escolha e a sua pertinência atendendo à reabertura, ontem mesmo, do referido túnel e da linha em toda a sua extensão. Ficamos informados e formados porque de História também não te poupaste e ofereceste um documento exemplar. Em boa hora feito.
Obrigada! Beijinhossss mil e continua a dar-nos estes pedacinhos de cultura ( pedações) de que gosto tanto.

Bem hajas, Zé Gonçalves!

elvira carvalho disse...

Amigo, antes de comentar este post tenho de falar de uma coisa que me deixou apardalada. No seu comentário lá no meu cantinho, o meu amigo pergunta se está perdoado. De quê? Confesso que não me consigo recordar de qualquer mal entendido entre nós. Se quase em todos os seus posts, descubro coincidências. Sabe de onde era o meu avô materno? Da terra do seu sogro.
Voltando ao post, sabe que há quase 40 anos fazia o trajecto Rossio-Sintra-Rossio todos os dias? Pois é morando a escassos metros de onde vivo hoje, ia todos os dias trabalhar para o Lourel, que hoje já está tudo ligado pelas construções que entretanto se fizeram, mas naquele tempo ainda eram uns 10 minutos de caminho, desde a estação de Sintra. Larguei o emprego para me juntar ao meu marido em Moçambique, que nem um nem outro aguentavamos as saudades.
Parabéns pelo post. Está muito bom.
Um grande abraço e apesar da chuva, tenha um bom Domingo

avelaneiraflorida disse...

BRIGADOS POR MAIS ESTA EVOCAÇÂO, AMIGO!!!!!

se quiser dar um pulinho...ao meu cantito....

Bjkas!!!

Jose Gonçalves disse...

Maria

O túnel do Rossio é uma imagem de marca da baixa lisboeta e esteve muitos anos fechado.
Por isso, ainda bem que reabriu e espero que sem problemas.
Um beijinho
José Gonçalves

Jose Gonçalves disse...

Olá Sophiamar

Tenho vários episódios ao longo da vida que poderia contar. Fá-lo-ei à medida que me for lembrando.
O desafio está cumprido e sanado, portanto nada de preocupações, não foi por nossa causa que ele quebrou.
Mais uma vez utilizas palavras de elogio para comigo que não sei se as mereço, mas acho que são os teus olhos de amiga que te obrigam a falar assim. De qualquer maneira muito obrigado querida amiga.
Beijinhos
José Gonçalves

Jose Gonçalves disse...

Amiga Elvira

Quanto à pergunta se estou perdoado, referia-se ao facto de andar muito faltoso nas vossas casas, nada mais.
Sou muito "chato" mas sou assim mesmo.
Nova coincidência, então o seu avô materno era da terra de meu sogro? Temos mesmo muito em comum. Seremos mesmo irmãos virtuais, como aliás anda para aí agora uma onda familiar.
Fiz muitas viagens entre Lisboa e Sintra de comboio e confesso já tinha saudades de ver o túnel reaberto, não porque o utilize muito agora, mas porque faz falta a Lisboa e a muitos utentes daquela linha.
Um abraço
José Gonçalves

Jose Gonçalves disse...

Avelaneiraflorida

E´verdade mais uma evocação.
Já fui ao seu cantinho e já respondi a mais esse desafio e disso dei conta já.
Obrigado por se ter lembrado de mim.
Um beijinho
José Gonçalves