sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

METADE DAS LÍNGUAS FALADAS NO MUNDO SOB AMEAÇA DE EXTINÇÃO


*


Actualmente existem cerca de 6500 línguas diferentes em todo o mundo. Quase metade é falada com pouca frequência. As chamadas línguas minoritárias e os dialectos estão sob forte ameaça de extinção



A informação é da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) a partir de um estudo que analisa a pressão exercida naturalmente pelas línguas dominantes e a repressão política, apontadas como principais responsáveis pelo possível extermínio de cerca da metade dos 6500 idiomas falados em todo o mundo.

Tal redução pode causar sérios danos à riqueza linguística mundial, conforme dados do relatório. O texto alerta que o desaparecimento de uma língua acarreta na perda definitiva de uma parte insubstituível do conhecimento humano. Em outras palavras, quando uma língua morre leva consigo a cultura do povo que praticava o idioma. E isso é irreversível.



Línguas dominantes x línguas minoritárias

A América e a Austrália estão na pior situação. Na Austrália, nos últimos 100 anos, foram extintas centenas de línguas aborígenes e outras tantas estão em processo de desaparecimento que decorre das políticas de assimilação cultural em voga até a década de 70. O país prezava o idioma inglês como língua oficial em detrimento das línguas minoritárias.

Nos Estados Unidos, pelo menos 150 línguas indígenas, que conseguíram sobreviver à chegada dos europeus no continente alguns séculos atrás, estão agora ameaçadas de extinção. O mesmo acontece com muitas línguas ainda faladas pelos índios brasileiros.



Na Europa são faladas 230 línguas, enquanto no continente asiático são 2200. Na África, 550 línguas das 1,4 mil existentes poderão desaparecer em breve. O estudo cita ainda países como Japão, Filipinas e Papua Nova Guiné. Nesta região do Pacífico concentram-se actualmente um terço de todas as línguas faladas no mundo.

Os idiomas francês, espanhol, chinês e russo sufocaram as línguas minoritárias em seus países. A principal causa seria a globalização, que indirectamente padroniza o idioma de cada nação. Isso faz com que as línguas que não são oficiais acabem sendo pouco valorizadas e faladas por um número cada vez menor de pessoas.



Dialetos em extinção

Não apenas as línguas minoritárias estão ameaçadas de desaparecimento em várias partes do mundo. O dialecto, modalidade regional de uma língua, caracterizada por certas peculiaridades fonéticas, gramaticais ou léxicas, também segue o mesmo rumo em muitos países.

Na Alemanha ainda são falados diversos dialectos, especialmente em cidades do interior. O dialecto praticado, por exemplo, na Baviera, sul do país, é tão complexo e rico quanto o dialecto falado no norte da Alemanha. Prova disso é que a compreensão entre ambos é difícil. O elo de ligação é o alemão oficial.



De volta às raízes

São poucos os países que tem consciência da importância da preservação de línguas minoritárias. Um exemplo é a Irlanda. Nos séculos 17 e 18, com a ocupação inglesa, a língua galesa foi proibida de ser falada. Os irlandeses, entretanto, não se deixaram intimidar pela proibição e continuaram comunicando-se às escondidas em galês.

Em 1921, a língua galesa voltou a ser aceite sem restrições e passou a ser ensinada nas escolas. A chamada Lei da Língua Galesa, de 1993, estimula a difusão do idioma, hoje falado por cerca de 19% da população.

Fonte: Marion Andrea Strüssmann

Fotos e texto tirados da Net

José Gonçalves


10 comentários:

Sophiamar disse...

Mais um post excelente que voltarei para ler com mais atenção. É importante a preservação das línguas minoritárias e o seu estudo para que não caiam no esquecimento. Do que tu te lembras, Zé!

Muito bom!

Beijinhossss

Brancamar disse...

Ai José,
És pior que um vulcão em erupção quando começas a escrever.
Cheguei agorinha mesmo, infelizmente de um velório, só fui desejar bom fim de semana a umas amigas nossas e chego aqui já trabalhaste imenso desde a hora do jantar. Vou novamente àquele outro sítio que ainda me está a surpreender e volto mais tarde a este, não sei se ainda hoje, mas como o autor é o mesmo, tu compreendes.
Beijinho

Brancamar disse...

Já me deliciei com um vídeo daqueles que tu com tão bom gosto escolheste e agora sempre que me apetecer já sei que tenho ali umas boas pausas de música e côr.
Às amigas que passam por aqui aconselho a que se entrarem directamente no "Entre Montes e Vales" não se esqueçam de espreitar o perfil e ver bem lá no fundo o que de novo o Zé anda a fazer. Não quero ser egoísta, embora me tenha divertido hoje a descobrir coisas novas.
Quanto a este post sobre as línguas minoritárias é bem interessante. Não imaginava que eram tantas assim, mas depois de ler vi que tem a sua lógica, há muitas línguas indígenas e outras de que habitualmente não nos lembramos e tu avivas-me esta memória adormecida.
Boa noite.
Beijinhos.

Sophiamar disse...

Meu Querido Amigo

Vim reler o teu post sobre o desaparecimento das línguas minoritárias e as consequências nefastas que esse desparecimento acarreta porque, com ele, vai uma uma boa parte da cultura desses povos. Deveriam, quanto a mim, ser preservadas através da criação de centros culturais onde esse estudo pudesse ser feito no âmbito da antroprologia cultural,da etnografia, da história.Grande parte dos estudos que se fazem dos povos da antiguidade, nomeadamente dos mais atrasados, também têm por base a comparação com povos que vivem na actualidade em estádios civilizacionais muito diferentes do nosso. Encontramos exemplos disto em África, na América e na Austrália.
Mais uma vez, estás a prestar um serviço público a quem por aqui passa e reconheço que, muitas vezes, me tens remetido para um estudo mais aprofundado dos temas que aqui tratas. Tem sido motivador este tipo de post que gostaria de ver continuado.
Beijinhos mil, embrulhados na sã amizade que aqui cultivas.

Bom fim de semana!

elvira disse...

Um excelente post. E nem precisamos ir muito longe não é verdade amigo. Se temos o Mirandês e o Galego aqui ao pé. O último sobretudo que têm tentado acabar com ele por todos os meios.
Um abraço e bom fim de semana

Jose Gonçalves disse...

Sophiamar

Não fazia a mínima ideia de que existiriam no mundo tantas línguas faladas nem que estivessem sob ameaça de extinção. Mas muito se aprende quando se procura.
Um beijinho
José Gonçalves

Jose Gonçalves disse...

Branca

Minha amiga, não te canses deixa que a vida aconteça, com suavidade e com calma.
Eu por vezes dá-me a "travadinha" e desato para aqui a escrever... ou a copiar, como quiseres.
Um grande beijinho
José Gonçalves

Jose Gonçalves disse...

Branca

Obrigado pelas tuas palavras amigas.
O outro blog e´um aproveitamento de um outro que tinha feito para promover a venda da minha casa. Como não teve resultados práticos reconverti-o.
Vou tentando por lá alguns pequenos filmes que vou encontrando e de que gosto.
Um grande beijinho
José Gonçalves

Jose Gonçalves disse...

Sophiamar

Como gostaria de falar nas coisas como tu o fazes, mas não sei.
Pelo menos acho que tenho servido para algo e ainda bem. Também tenho aprendido muito o que é interessante.
Um beijinho
José Gonçalves

Jose Gonçalves disse...

Elvira
É bem verdade o que diz e acrescento-lhe o Barranquenho de Barrancos.
Um grande abraço
José Gonçalves